Publicidade

O Brasil pisou o gramado do Estádio Bicentenário de San Juan, na Argentina, já classificado para a Copa do Qatar. Mas a Argentina precisava da vitória, pois a vaga ainda não estava garantida. Com esse cenário, além da questão de ser um clássico sul-americano tradicional e de muita rivalidade, é claro que se esperava tensão em campo. Foi o que aconteceu, numa noite sem Neymar com a camisa amarela e com um Messi pouco inspirado em campo.

Raphinha levou pancada atrás de pancada no jogo, ganhando cinco pontos no rosto, após cotovelada - Foto: Daniel Jayo/Getty Images Raphinha levou pancada atrás de pancada no jogo, ganhando cinco pontos no rosto, após cotovelada – Foto: Daniel Jayo/Getty Images

Leia também

Colômbia cozinha o Paraguai em Barranquilla e continua na luta por vaga na Copa

Sergio Ramos vê luz no fim do túnel e está perto de encerrar drama no PSG

Publicidade

Itália vive drama e vai à repescagem: Suíça ‘rouba’ vaga; Inglaterra carimba passaporte com goleada por 10 a 0

A melhor chance do Brasil no primeiro tempo saiu dos pés de Vinícius Júnior. Aos 16 minutos, Matheus Cunha pressionou a saída de bola da Argentina. A bola sobrou para Paquetá na intermediária. Ele enfiou linda bola para Vinícius Júnior, que chegou cara a cara com o goleiro Emiliano Martínez. No entanto, ele preferiu o preciosismo aos tentar a cavadinha, mandando a bola para fora. Um desentendimento entre Paquetá e Paredes – que rendeu cartão amarelo para o brasileiro – fechou o tempo e a etapa inicial.

Segundo tempo

Lisandro Martínez observa de pertoVinicius Junior, um dos melhores do Brasil, mas que desperdiçou chance com preciosismo - Foto: Daniel Jayo/Getty Images Lisandro Martínez observa de pertoVinicius Junior, um dos melhores do Brasil, mas que desperdiçou chance com preciosismo – Foto: Daniel Jayo/Getty Images

O Brasil melhorou um pouco na etapa final, mas nada que fizesse merecer a vitória. Vinícius. Júnior pode ter desperdiçado boa chance no primeiro tempo, mas continuou a partida como um dos melhores da Seleção Brasileira. Afinal, Neymar não fez tanta falta. Em campo, no entanto, a catimba mandava no jogo pelas duas partes. Fabinho também esteve muito bem, garantindo um meio de campo forte para o Brasil, além de Fred.

Relacionadas

Neymar Eliminatórias
Lapadula celebra com os companheiros o gol que abriu o placar para o Peru, mas a Venezuela daria o troco - Foto: Edilzon Gamez/Getty Images
Marcelo Moreno corre para festejar o segundo gol da Bolívia - Foto: Javier Mamani/Getty Images

Publicidade

Messi, bem sumido, deu a graça já aos 44 minutos, depois de limpar a jogada em seu campo e avançar. Foi até a entrada da área brasileira e bateu firme de esquerda. Alisson fez a defesa em dois tempos.

No fim, mesmo sendo o maior clássico entre seleções nas Américas, o placar de Argentina x Brasil ficou mesmo no zero. Como para o Brasil pouca diferença isso fez, resta agora aguardar 2022, a reta final das Eliminatórias e, finalmente a Copa do Mundo. A Seleção Brasileira enfrenta o Equador em janeiro, enquanto a Argentina pega o Chile.

 

Comentários