Publicidade

A Seleção Brasileira quer o bicampeonato olímpico. E para isso vai precisar derrotar a Espanha na grande decisão do futebol masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A final será disputada neste sábado, às 8h30(de Brasília).

Esta é a terceira final olímpica consecutiva da Seleção Brasileira e a quinta da história. Em 2016, no Rio de Janeiro, o Brasil bateu a Alemanha na final. Já em 1984, 1988 e 2012 ficou com a prata. A Espanha foi campeã em 1992, quando superou a Polônia em Barcelona. Além disso foi vice de Camarões em 2000.

Richarlison Brasil Olimpíada Brasil busca o título. Mas tem pedreira… (Foto: CBF / Divulgação)

O Brasil eliminou o México nos pênaltis nas semifinais. Já os espanhós derrotaram com muita dificuldade o Japão com um triunfo por 1 a 0.

Publicidade

MAIS! Relembre finais passadas de Jogos Olímpicos

Para isso ganhar, o técnico André Jardine deve contar com força máxima. Isso porque o atacante Matheus Cunha trabalhou normalmente e vai reforçar o Brasil. Com isso, Paulinho volta a ficar como opção.

Espanha tem base da Eurocopa

Asensio em ação nos Jogos Olímpicos (Foto: Imago)

O meia Claudinho exaltou poder fazer parte deste momento.

Publicidade

– É uma sensação indescritível. Estar aqui já é um sonho realizado. E estar podendo participar dessa final olímpica… Nem nos meus melhores sonhos eu poderia imaginar isso. Claro que você vem para cá querendo o ouro, defender o ouro olímpico, estar nessa final – disse.

Relacionadas

Eric García
Messi taça

Só que do outro lado, a Espanha chega a final motivada e com um grupo com experiência. Oito jogadores do elenco participaram da campanha na última Eurocopa. O destaque da Espanha é o jovem Pedri, que foi titular na Euro.

FICHA TÉCNICA:
BRASIL X ESPANHA

Publicidade

Local: Yokohama Internacional, em Yokohama (JAP)
Data: 7 de agosto de 2021, sábado
Hora: 8h30 (de Brasília)
Árbitro: Chris Beath (AUS)
Assistentes: Anton Shchetinin (AUS) e George Lakrindis (AUS)
VAR: Abdulla Al-Marri (QAT)

BRASIL: Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães, Claudinho e Antony; Matheus Cunha e Richarlison
Técnico: André Jardine

ESPANHA: Unai Simón; Oscar Gil, Eric Garcia, Pau Torres e Cucurella; Zubimendi, Merino e Pedri; Olmo, Oyarzabal e Rafa Mir
Técnico: Luis de La Fuente

Comentários