Publicidade

Toda vez que se lembra que Tite vai deixar a Seleção Brasileira no fim do ano, o nome de um treinador estrangeiro vem à tona. Pep Guardiola, por exemplo, é um dos mais lembrados. Entretanto um nome que ganhou força nos últimos anos na Seleção Brasileira é o de Jorge Jesus. Mas não há possibilidade dele ser convidado.

Jorge Jesus criticou técnicos brasileiros (Foto: Divulgação)

O assunto voltou à tona após Jorge Jesus ter sido homenageado em um evento em Portugal e ter dito que poderia no futuro aceitar o desafio de dirigir uma seleção.

– No futuro, talvez isso possa acontecer. Mas poucas seleções têm a possibilidade de eu querer trabalhar nelas – disse ele.

Publicidade

O MAIS QUE UM JOGO apurou junto a uma fonte da CBF que não passa pela cabeça dos dirigentes da entidade ter Jorge Jesus no cargo mesmo que a diretoria decida por um treinador de fora do Brasil. O motivo é que o português causou certo constrangimento em algumas entrevistas no auge de seu sucesso no Flamengo entrando em rota de colisão com colegas brasileiros.

Relacionadas

Messi, Neymar e Mbappé PSG
Manchester City Leipzig Champions League
Raphinha

Em uma delas chegou a dizer que treinadores do Brasil estavam ultrapassados.

– O treinador brasileiro está ultrapassado taticamente. Sabe por quê? Porque sempre tiveram grandes jogadores e esses resolvam os problemas táticos sozinhos. Os treinadores brasileiros tinham menos necessidade de criar ideias coletivas, por causo disso estão ultrapassados – apontou o técnico, que dias depois disse ter sido mal interpretado.

Jorge Jesus na Seleção Brasileira: CBF teme reação

Tite Tite vai deixar a Seleção Brasileira | Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

Publicidade

Na época alguns treinadores brasileiros como Cuca e Vanderlei Luxemburgo rebateram o português. Assim existe na CBF o temor que o português possa gerar uma revolta de profissionais do país. Além disso a postura de outros treinadores estrangeiros perguntados sobre o tema abrem caminho para uma recepção melhor.

– O Brasil tem grandes treinadores – diz Guardiola toda vez que perguntado sobre o tema.

O assunto deve ganhar força após a Copa do Mundo de 2022, quando Tite deixará o cargo. Assim a CBF vai precisar pensar em um substituto, abrindo caminho para várias possibilidades.

Comentários