Publicidade

O julgamento do processo referente às eleições do Vasco deve mesmo ocorrer no próximo dia 17. O presidente da Assembleia Geral do Vasco, Faeus Mussa, voltou atrás e retirou as objeções ao julgamento virtual. Portanto, o processo retornou à pauta no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Leven Siano garantiu ter parceiros para bancar a chegada de Yaya Touré. E os demais? Leven Siano quer assumir o comando do time (Divulgação)

Na quarta-feira, a Primeira Câmara Cível, marcou o julgamento para a sessão virtual do dia 17. Nesse formato, não há possibilidade de sustentação oral pelos advogados das partes. Mussa inicialmente discordou e apresentou sua objeção, mas nesta quinta mudou de ideia.

No julgamento será analisada a validade dos pleitos dos dias 7 e 14 de novembro, e uma possível realização de novas eleições.

Publicidade

Candidato vitorioso no dia 7, Leven Siano tenta fazer valer na Justiça aquela eleição, mas está preocupado com a situação. Em participação em live no canal Vascaíno do Cerrado, no Youtube, ele expressou sua insatisfação com o momento que vive o clube.

– Tô muito chateado com o que estão fazendo com um planejamento que a gente demorou dois anos pra construir. As pessoas acham que a gente tá brigando para eu ser presidente. Na verdade, minha preocupação é conseguir implementar aquilo que a gente construiu pro Vasco. Trazer pro Vasco os investidores, os parceiros, os recursos que demoraram dois anos pra gente convencer pessoas que nunca investiram no futebol, com um discurso que a gente ia conseguir pacificar o clube – afirmou Leven.

Leia também:

Publicidade

Vasco vai terminar 2020 sem conhecer novo presidente

Vasco quer chutar a crise, bater o Defensa Y Justicia e avançar na Sul-Americana

Embora o julgamento esteja marcado, isso não significa o fim do imbróglio, já que as partes podem recorrer ou entrar com novas ações.

Publicidade