Publicidade

O MQJ Memória de hoje vai relembrar um dos campeões mundiais pelo Flamengo de 1981. Não era um dos jogadores considerados mais importantes. Entretanto ficou marcado por uma fatalidade. Morreu muito cedo, aos 23 anos, no auge de sua carreira. O sobrenome, o mesmo do então presidente da república João Figueiredo, lhe rendeu o apelido de “presidente”, dado pelos companheiros de clube. Além disso, virou padrinho da torcida organizada “Fla-diretas”, que defendeu o direito ao voto.

Figueiredo morreu no auge da carreira no Flamengo (Foto: Placar)

Figueirense foi jogador do juvenil do Palmeiras. Mas sua família teve que se mudar para o Rio de Janeiro e assim o zagueiro mudou de clube. Logo se destacou nas categorias de base e o Flamengo lhe ofereceu um contrato muito cedo. Isso porque em um dos treinos dos juniores, na Gávea, chamou a atenção do técnico franco-argentino Helenio Herrera, na época treinador do Barcelona. O clube espanhol tentou tirá-lo do Rubro-Negro.

Leia também:

Publicidade

MQJ Memória: Geraldo, o craque do Flamengo marcado por uma fatalidade
MQJ Memória: Margarida, o árbitro mais alegre da história do futebol

Após decidir ficar no Flamengo, Figueiredo começou a ganhar vaga no time e virou titular. Assim, esteve na zaga na conquista dos títulos do Campeonato Brasileiro de 1982 e de 1982. Além disso, foi titular na campanha do título da Copa Libertadores de 1981, ficando no banco de reservas no Mundial de Clubes, triunfos de 3 a 0o sobre o Liverpool.

Figueiredo lutou contra lesões

Apesar de ser titular em boa parte do tempo em que esteve no Flamengo, Figueirense viu sua carreira ser atrapalhada por algumas lesões. Uma delas, na perna direita, veio meses antes de morrer.

Publicidade

– O Figueiredo era um bom zagueiro, sabia se posicionar bem e tinha condições de sair com a bola nos pés. Foi um jogador muito útil ao time do Flamengo que era de craques. Assim não era tão badalado como outros nomes, mas construiu uma história muito bonita no clube. Pena que terminou muito cedo. Se não fosse isso poderia ter brigado por um lugar na Seleção Brasileira mais na frente – disse Zagallo, que foi seu técnico no Flamengo em 1984, ano de sua morte.

Leia também:

MQJ Memória: Vivinho, o gol de placa de São Januário
MQJ Memória: Zé Carlos, o Grandão do gol do Flamengo

Publicidade

Figueiredo nunca marcou um gol com a camisa do Flamengo. Mas evitou muitos nas 152 partidas em que esteve em campo pelo Rubro-Negro. Pelo clube, além de dois Brasileirões, da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes, ganhou também dois títulos estaduais: 1979 e 1981.

Figueiredo se despediu do Flamengo com a 10 de Zico

Uma ironia do destino marcou o último jogo de Figueiredo, em dezembro de 1984, dias antes de morrer. Como o lateral-direito Leandro jogou improvisado no meio-de-campo, a camisa 10 ficou vaga. Zagallo queria que alguémk a usasse, mas o lateral não quis. Assim sobrou para Figueiredo, que não poderia imaginar que ali seria a sua despedida.

Zico reconheceu talento de Figueiredo (Foto: Reprodução Youtube)

Zico lembra com carinho do companheiro.

Publicidade

– O Figueiredo era um companheiro leal, correto, um excelente carreira. Um grande jogador, que nos deixou muito cedo – disse Zico.

Leia Também:

MQJ Memória: Eloi, o craque que Pelé queria no Santos
MQJ Memória: Berg, o anjo loiro do Botafogo

Publicidade

O jogo em que Figueiredo jogou com a camisa 10, a sua despedida, foi pelo Campeonato Carioca, na Taça Rio de 1984: derrota de 2 a 1 para o Fluminense, que ficaria com o título.

Irmão de Bebeto morreu no acidente de Figueiredo

Figueiredo morreu no dia 20 de dezembro de 1984, quando tinha apenas 23 anos. O monomotor em que ele estava desapareceu na altura da região de Nova Friburgo, Região Serrana do Rio de Janeiro. Ele estava indo passar as festas de fim de ano com a família.

No acidente estava Nilton, que era irmão do ex-atacante Bebeto, que na época tinha chegado ao Flamengo. Além deles, uma modelo amiga do jogador e o piloto também acabaram morrendo.

Publicidade

Figueiredo deixou a vida e o futebol muito cedo. Inclusive, deixando a impressão de que seria mais reconhecido se tivesse mais tempo de carreira. Entretanto, escreveu sua história pelo Flamengo e será sempre lembrado pelos torcedores.

Leia também:

MQJ Memória: Polêmica no Carioca faz o futebol relembrar Eduardo Viana, o Caixa D´água