Publicidade

Para muitos o gol mais bonito da história de São Januário. Tanto que rendeu uma placa ao seu autor. Isso remete a história de Vivinho, atacante que defendeu Vasco e Botafogo, dentre outros clubes. Típico ponta das décadas de 80, o jogador tinha, além de velocidade e drible, uma boa capacidade de conclusão. A habilidade também não era questionada e foi ela que contribuiu para que Vivinho fizesse o gol mais importante da sua carreira.

Vivinho fez história no Vasco (Foto: Arquivo JS)

Revelado nas categorias de base do Uberlândia de Minas Gerais, Vivinho foi contratado pelo Vasco em 1986. Em um primeiro momento teve poucas chances, mas passou a ser usado com mais frequência em 1987. Vivinho sofreu para ser titular nos times em que passou. Menos pela sua capacidade, mas pelo azar de ser contemporâneos de alguns foras de série. No Vasco, por exemplo, dividiu elenco com Mauricinho, Roberto Dinamite, Bebeto e Romário.

– O Vasco sempre teve grandes times na década de oitenta e realmente era difícil um lugar ao sol. Mas consegui construir uma carreira de sucesso no clube e sempre fui lembrado pelos jogadores com quem convivi e com muito carinho pelos torcedores – disse Vivinho em uma entrevista em 2008, em comemoração aos 20 anos do famoso gol de placa que vamos falar mais na frente. O craque morreu em 2015.

Gol de placa contra a Portuguesa marcou Vivinho

Publicidade

Vivinho foi campeão carioca pelo Vasco em 1987 e 1988. Já em 1989 integrou o time campeão brasileiro. Pelo Cruz-Maltino fez 179 jogos e marcou 41 gols. O mais importante no dia 11 de setembro de 1988, contra a Portuguesa de Desportos, pelo Campeonato Brasileiro.

Leia também:

MQJ Memória: Eloi, o craque que Pelé queria no Santos

Publicidade

O Vasco perdia de 1 a 0 em São Januário quando Vivinho dominou na área. Com pouco espaço e muito marcado pelo volante Capitão não pensou duas vezes. Deu três chapéus no rival e chutou sem chances para o goleiro Valdir Peres.

Depois daquela partida o então vice-presidente de futebol do Vasco, Eurico Miranda, mandou fazer uma placa em homenagem a Vivinho. Curiosamente, o dirigente retirou a placar em 1990, quando o atacante se transferiu para o Botafogo.

Vivinho defendeu mais quatro camisas

Após deixar o Vasco, Vivinho aceitou proposta de Emil Pinheiro, então presidente do Botafogo, para defender o time. Foi vice-campeão brasileiro em 1992 e tinha o respeito do torcedor botafoguense. Além disso, guarda boas lembranças do Glorioso.

Publicidade

– O Botafogo também foi um clube que gostei de jogar. Também atuei em grandes times lá – lembrou Vivinho.

Leia também:

MQJ Memória: Berg, o Anjo Loiro do Botafogo
MQJ Memória: Mário Marques, o Maestro do estilo clássico

Publicidade

Além do Botafogo, Vivinho defendeu as cores de Athletico Paranaense, Goiás, Fortaleza e encerrou carreira na Cabofriense em 1997.

Em 2015 o jogador acabou saindo de cena. Vítima de complicações pulmonares, morreu em 13 de setembro de 2015. Mas será sempre lembrado. Em seu enterro, vários grandes ex-jogadores foram prestar solidariedade ao atacante que, nos dias de hoje, teria chances até na Seleção Brasileira.