Vasco

O que esperar do Vasco no Campeonato Brasileiro

Germán Cano (Divulgação CRVG)

A torcida do Vasco tem todo direito de manter um pé atrás quanto a participação da equipe no Campeonato Brasileiro. Afinal, o retrospecto recente do Cruzmaltino na Série A não é animador. Nas últimas dez participações, só em quatro o time terminou entre os dez primeiros.

Em 2017, o Vasco encerrou a competição em 7º lugar e classificado para a pré-Libertadores. Entretanto, os dois anos seguintes foram de muito sofrimento.

No ano passado, o Cruzmaltino teve um péssimo início na competição. Com apenas 1 ponto em cinco rodadas, a condição de lanterna fez a torcida temer por um novo rebaixamento. Porém, com a chegada do técnico Vanderlei Luxemburgo, a equipe foi reagindo aos poucos e se livrou da ‘confusão’.

Apesar das dificuldades na tabela, a torcida não deixou de apoiar. E o bom padrão de jogo e a reação da equipe na competição fizeram com que o ano terminasse em alta.

Leia também:

Ramon Menezes elogias testes no Vasco antes do Brasileiro

Bruno César ganha espaço no Vasco após boa atuação em jogos-treino

A temporada 2020, entretanto, começou em baixa. Embora o elenco fosse praticamente o mesmo, a saída de Luxa e a chagada de Abel Braga não fizeram bem à equipe. Em paralelo, os atrasos de salários foram se acumulando e afetaram diretamente o rendimento em campo.

O fracasso no Carioca e as más atuações na Copa do Brasil e Sul-Americana derrubaram Abel. A diretoria então apostou num velho conhecido, o ex-ídolo dos anos 90 Ramon Menezes. Para dar um toque de experiência na comissão técnica, Antônio Lopes assumiu como Coordenador.

A estreia do Vasco no Brasileirão será na quinta-feira, dia 13/8, contra o Sport, em São Januário. O MAIS QUE UM JOGO destaca os pontos fortes e fracos, e quem pode fazer a diferença no Gigante da Colina.

 

PONTOS FORTES

1. Ambiente renovado

Reprodução Instagram/Vasco da Gama

A chegada de Ramon Menezes e o esforço da diretoria para regularizar as pendências financeiras deram uma injeção de ânimo no grupo. A paz voltou a reinar em São Januário e a confiança está renovada.

2. Elenco ‘comprou’ filosofia de Ramon

Ramon comanda treino em São Cristóvão (Divulgação/CRVG)

O trabalho de Ramon Menezes foi bem aceito pelos jogadores. Ex-auxiliar do clube por dois anos, Ramon conhece bem o elenco e sua filosofia de trabalho agradou em cheio. É notável o progresso coletivo e individual nos jogos e treinos realizados com o novo treinador.

3. Tempo de treinamento

Treino em São Januário (Divulgação/CRVG)

O Vasco foi uma das primeiras equipes da Série A a retornar aos treinamentos após a paralisação da Covid-19. O grupo já tem 60 dias de treinos e jogos, o que é o dobro das equipes paulistas, por exemplo.

PONTOS FRACOS

1. Limitações do elenco

Divulgação CRVG

O elenco vascaíno ainda é limitado para maiores pretensões na competição nacional. Até o momento foram poucos os reforços contratados e houve perdas importantes, principalmente no meio campo. Os volantes titulares, Freddy Guarín e Raúl, até o momento, não têm permanência assegurada e nem estão disponíveis para jogar.

2. Crise financeira

Goleiro Jordi é o caso mais recente de atleta a acionar a Justiça para deixar o Vasco (Divulgação/CRVG)

Apesar da a diretoria ter conseguido reduzir e negociar as dívidas com o elenco, a situação segue bastante precária. Em uma competição longa como o Brasileiro, a situação ainda pode evoluir de forma negativa.

3. Bastidores agitados por eleições

Alexandre Campello (Divulgação)

O delicado equilíbrio que o Vasco encontrou tem mais um fator que pode contribuir para que as coisas desandem. O clube tem eleições no final do ano e as disputas políticas estão em ebulição em São Januário. Isso amplifica qualquer mau momento que a equipe possa passar na competição.

QUEM PODE FAZER A DIFERENÇA

Talles Magno (Reprodução Youtube)

O Vasco conta com alguns nomes que dão estabilidade ao time. Fernando Miguel no gol, Castán na zaga e o eficiente Germán Cano no ataque. Porém, o que pode fazer a diferença neste Brasileirão é o desempenho de dois nomes em particular, Talles Magno e Bruno César.

Joia da base cruzmaltina, Talles tem tudo para explodir em 2020. Atrapalhado por uma lesão no pé em fevereiro, ele está recuperado e carrega as esperanças da torcida.

Bruno César, por outro lado, chegou em 2019 para ser o camisa dez da equipe. Não conseguiu entrar em forma e acabou decepcionando. Após um período afastado, o meia parece focado na sua recuperação e tem sido muito elogiado por sua aplicação nos treinos e jogos. Se ele finalmente corresponder ao que se esperava dele, também vai fazer a diferença.

Você Também pode gostar