Publicidade

Na tarde de sexta-feira o Southampton derrotou o Newcastle por 2 a 0 e assumiu a liderança da Premier League. A primeira posição não deverá ser sustentada até o fim da rodada, neste domingo. Mas o time continuará entre os primeiros colocados. A maneira como a equipe se comporta chama a atenmção. Um futebol envolvente, de trocas de passes rápidos e contra-ataques mortais. Um conceito de intensa movimentação implementada pelo treinador austríaco Ralph Hasenhuttl. Mas isso quase não virou realidade. No Brasil com certeza não viraria. Pelo simples motivo que dirigindo o mesmo Southampton, em outubro do ano passado, o técnico viu seu time ser humilhado pelo Leicester com uma goleada de 9 a 0.

Ralph Hasenhuttl em ação no Southampton (Foto: Southampton)

Naquele outubro de 2019, os torcedores deixaram o Estádio St Mary’s Stadium irritados e pedindo a cabeça do treinador. Não era aceitável a goleada. Além disso o Southampton estava na zona de rebaixamento.

Leia também

Messi e a solidão num Barcelona sem identidade
“A gestão se prostituía”, diz Daniel Alves sobre o Barcelona

Publicidade

A diretoria não acatou o pedido da torcida e avisou que Ralph Hasenhuttl permaneceria até o fim do torneio, independentemente dos resultados. Foi difícil, mas a equipe conseguiu escapar da degola. O momento certo então para se trocar de treinador? Nada. O contrato dele foi renovado por mais uma temporada.

Ralph Hasenhuttl ainda tem saldo negativo

Southampton apostou em manter técnico após goleada (Foto: Southampton)

Com mais tempo de colocar em dia as suas ideias começou a Premier League sob pressão.

– O treinador precisa de tempo para colocar seus projetos em prática e foi assim que o Southampton pensou. Ainda bem – lembrou Ralph Hasenhuttl.

Publicidade

Ao todo Ralph Hasenhuttl já soma 77 partidas pelo Southampton. Ele foi contratado em dezembro de 2018 após um bom trabalho no Leipzig da Alemanha. Antes do clube alemão havia treinador apenas equipes da Áustria, se sagrando tricampoeão nacional pelo Áustria Viena.

Nos 77 jogos pelo Southampton ele soma 30 vitórias, 31 derrotas e 16 empates. O saldo continua negativo por conta do começo irregular. Mas internamente não há dúvidas que este treinador, de 53 anos, vai logo deixar a conta no azul.