Futebol Internacional

Novo normal apaga clubes tradicionais do mapa do futebol. Veja a lista!

Simeone nos bons tempos de Inter de Milão, com Ronaldo Fenômeno (Divulgação Inter)
Simeone nos bons tempos de Inter de Milão, com Ronaldo Fenômeno (Divulgação Inter)

Pode parecer discussão chata essa questão do “novo normal”. No entanto, não tenha dúvida de que o futebol jamais será o mesmo adiante, seja em razão da pandemia da Covid-19 ou não. A crise financeira mundial, aliada à má administração, tomou conta de clubes tradicionais que podem nunca mais voltar a ser o que eram. O MAIS QUE UM JOGO enumera alguns e explica. Confira!

Milan

Não passa de um coadjuvante no Campeonato Italiano, no qual fechou a temporada em sexto lugar. Os sinais já estavam visíveis com a passagem de nove treinadores nas últimas sete temporadas. A última mudança foi a 8 de outubro, quando os diretores do futebol Paolo Maldini e Zvonimir Boban, antigas estrelas do clube, decidiram demitir Marco Giampaolo. Quem entrou foi Stefano Pioli e agora a imprensa italiana fala em saída dele para entrada de Ralf Rangnick…

Inter de Milão

A Internazionale campeã da Europa em 2010 (Foto: Arquivo Uefa)

A Internazionale campeã da Europa em 2010 (Foto: Arquivo Uefa)

A exemplo do rival Milan, a Inter de Milão virou coadjuvante no Campeonato Italiano, ambos se acostumando ao desfile soberano da Juventus. De acordo com a Gazzetta dello Sport, o déficit da Inter chega a 48,4 milhões de euros – cerca de R$ 300 milhões. O clube viu suas dívidas crescerem com a chegada de Lukaku e Eriksen na última temporada, aumentando consideravelmente a folha de pagamento. Além disso, o time milanês ficou sem importantes patrocínios com empresas asiáticas, que somavam 45 milhões de euros – cerca de R$ 280 milhões. O rombo só aumenta.

Cruzeiro

Torcida do Cruzeiro é a única que tem presença garantida na Libertadores 2018, por enquanto (Foto: Rafael Ribeiro/Cruzeiro)

Clube colecionador de títulos, de estaduais a Libertadores. Vive um inferno astral que culminou com a queda à Série B do Brasileiro. Matheus Rocha, diretor de Controladoria e Finanças do clube resumiu no início de julho a situação: “Estamos vendendo almoço para pagar a janta”.

Besiktas

O clube turco deu sinais de que estava mal das pernas lá pelos idos de 2018, quando o zagueiro Pepe rescindiu com o clube antes do fim do contrato. Em um ranking de finanças de clubes europeus, divulgado em 2019, o Besiktas aparecia em 26º lugar. Nessa época, perdeu também Vagner Love, por dívidas. A crise, no entanto, parece ser mais do país do que apenas ligada ao futebol turco.

Galatasaray

O clube turco passa por uma grande crise financeira e não tem conseguido arcar com suas obrigações. Veja, por exemplo, a saída do lateral direito Mariano, agora no Atlético Mineiro. Salários atrasados são os sinais mais evidentes da crise, bem como a debandada em massa de jogadores.

Fenerbahce

Fabio Bilica defendeu a Seleção Brasileira e atuou também no futebol turco (Divulgação Fenerbahçe)

Outro caso grave de crise no futebol turco. O Fenerbahce está sem treinador e sem condições de manter-se nas competições continentais europeias. Em razão de sua forte crise financeira, o clube precisa se desfazer de seus maiores destaques para fazer orçamento e tentar ir ao mercado.

São Paulo

O Tricolor passar por uma crise financeira sem precedentes, distante daquele passado de glórias e título mundial. Para coroar a coleção de fiascos dos últimos anos, no entanto, só mesmo a eliminação para o Mirassol, no Paulistão, na semana passada.

Kaiserslautern

Kaiserslautern é um dos fundadores da Bundesliga - Divulgação

Embora Kaiserslautern é um dos fundadores da Bundesliga – Divulgação

Em meio à pandemia, a tradicionalíssima agremiação germânica, tetracampeã nacional, se vê endividada e sem receitas diante da crise econômica imposta pelo coronavírus. Com isso, a equipe pretende ir até a justiça e mostrar que está insolvente, o que deve acarretar na falência do clube.

Leia também

Zidane escolhido o melhor técnico do mundo

A barca de Lampard e os dispensados do Chelsea

Parma

O clube foi uma das grandes forças do futebol italiano nos anos 90 quando pertencia à Parmalat. No entanto, decretou falência em 2015 após acumular dívida de mais de R$ 800 milhões. Na época, a equipe foi rebaixada para a série D e trocou de nome. Antes denominada de Parma Football Club, a agremiação passou a se chamar Parma Calcio 1913. Atualmente, o clube tenta se reerguer por meio de um investidor chinês, mas fechou o Campeonato Italiano apenas na 10ª colocação.

Napoli

Alemão, talentoso meio de campo do Botafogo, que formou o grande time com Maradona (Foto: Calcio)

Uma das maiores sensações do futebol italiano nos anos 80 quase foi extinta em 2004, quando a justiça do país decretou a falência do clube, que tinha uma dívida de 70 milhões de euros. No entanto, com a chegada do produtor cinematográfico Aurélio de Laurentiis, o clube sanou as dívidas. Mas ainda tenta voltar ao topo do futebol na Europa.

Torino

Junior chegou ao Torino para a temporada 1984-85 - Junior site oficial

Junior chegou ao Torino para a temporada 1984-85 – Junior site oficial

Um clube centenário, que sofreu com uma grave crise financeira no começo dos anos 2000. Em 2005, teve seu acesso impedido devido à falência decretada. Anos depois, o clube foi comprado por um empresário italiano. Fechou o Campeonato Italiano em 16º lugar.

La Coruña

Djalminha no La Coruña - Getty

Vinte anos depois de ser campeão nacional pela primeira e única vez, o Deportivo La Coruña foi oficialmente rebaixado para a terceira divisão do país. Embora tenha história no futebol espanhol, pode jamais ser o mesmo.

Você Também pode gostar

Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *