Publicidade

O drama de Messi e de outros craques ausentes em Copas. Não há ineditismo no possivel desfalque de um dos maiores jogadores do mundo na atualidade na próxima Copa do Mundo. Aproveitando a difícil situação da Argentina nas Eliminatórias Sul-Americanas, o MQJ fez um levantamento sobre situações semelhantes. De 1970 para cá, constatamos que todas as Copas perderam um pouco de brilho. Em alguns casos, houve mais de um desfalque.

Ibrahimovic ficou fora da Copa de 2010, no Brasil após eliminação contra Portugal Ibrahimovic ficou fora da Copa de 2010, no Brasil após eliminação contra Portugal

2014 – Ibrahimovic

“Foi provavelmente a minha última tentativa de chegar à Copa do Mundo com a seleção sueca. Por enquanto, continuarei jogando na equipe. Uma coisa é certa: uma Copa sem mim não vale a pena ser vista”. Essas foram as palavras do craque Zlatan Ibrahimovic, após derrota da Suécia para Portugal, por 3 a 2, em novembro de 2013, durante as Eliminatórias da Europa.

Publicidade

Nessa partida, memorável, Ibra marcou dois gols, mas viu Portugal carimbar o passaporte com a vitória por 3 a 2. Do outro lado havia Cristiano Ronaldo, que marcou três vezes.

Neymar e Ganso estavam bem em 2010. Esperava-se a convocação de pelo menos um deles (Foto: Divulgação Santos) Neymar e Ganso estavam bem em 2010. Esperava-se a convocação de pelo menos um deles (Foto: Divulgação Santos)

2010 – Neymar, Ganso, Adriano, Ronaldinho, Ronaldo…
Dunga surpreendeu ao anunciar a lista dos convocados para a Copa de 2010. É certo que grandes craques e artilheiros, como Ronaldo Fenômeno, Adriano e Ronaldinho Gaúcho eram considerados já como veteranos. Mas havia o outro lado também.

Neymar e Ganso – à época, jogando um belo futebol -, também ficaram fora da lista. E olha que houve pressão popular e da mídia. Mas, Dunga é Duga. De quebra, uma outra surpresa: Grafite, que jogava na Alemanha, no Wolfsburg, deu as caras na lista.

Causou surpresa a não convocação de Alex para a Copa de 2006 Causou surpresa a não convocação de Alex para a Copa de 2006

Publicidade

2006 – Alex
Parece incrível, para quem o viu jogando nos bons tempos, que Alex não tenha disputado uma Copa do Mundo em sua carreira. Mas é fato. Na época havia até um certo consenso, pressão popular e tudo mais. Porém, Parreira bateu o pé. E olha que Alex, com a Seleção, havia sido campeão da Copa América duas vezes – em 1999 e 2004.

Romário era esperado para a Copa de 1998 e 2002. Na foto, o choro após o "não" de Felipão (Foto: Arquivo CBF) Romário era esperado para a Copa de 1998 e 2002. Na foto, o choro após o “não” de Felipão (Foto: Arquivo CBF)

1998 e 2002 – Romário
Chegou a causa comoção o anúncio de que Romário não disputaria a Copa de 2002, realizada conjuntamente por Coreia do Sul e Japão. Sobretudo porque o mesmo havia ocorrido quatro anos antes, na Copa de 1998, na França. Antes de 2002, Romário havia sido o artilheiro dos dois últimos campeonatos brasileiros (2000 e 2001). Mas Felipão não ouviu os apelos e Romário ficou fora da lista para a Copa.

Houve incluvise uma reunião decisiva, na qual o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, reuniu Romário com o treinador. Às vésperas da Copa, quando os três saíram do encontro, o que se soube era o Baixinho estaria fora da competição.

Publicidade

Em 1998, o que se esperava era a formação da dupla Ro-Ro (Ronaldo e Romário). Isso não havia acontecido antes, pois em 1994 Romário fez a inesquecível dupla com Bebeto, enquanto Ronaldo estava estreando, como reserva. O problema é que Romário sofreu uma lesão no tornozelo e foi cortado. Zagalo chamou o volante Emerson para a vaga do Baixinho… um volante!?!

Luis Figo, que como Cristiano Ronaldo vestiu a camisa do Real Madrid, não conseguiu classificar Portugal em 1994 Luis Figo, que como Cristiano Ronaldo vestiu a camisa do Real Madrid, não conseguiu classificar Portugal em 1994

1994 – Portugal e Rivaldo
Portugal contava com uma forte seleção e era de se esperar a presença da equipe na Copa. O time contava com jogadores como Luis Figo, Rui Costa e João Pinto, que formaram o melhor grupo desde os tempos de Eusébio e Mário Coluna, em 1966. Porém, Portugal ficou em terceiro lugar no seu grupo, atrás de Alemanha e Ucrânia, com direito a um empate controverso em Berlim, no qual Rui Costa foi expulso de maneira duviosa quando os donos da casa venciam por 1 a 0.

Do lado brasileiro, o grande desfalque ficou por conta de Rivaldo. O meia vinha despontando, vestindo a camisa da Seleção em ocasiões anteriores e se saindo bem. Ficou fora da lista, para tristeza da torcida, que acabou se alegrando ao fim da competição… sabemos bem por quê.

Seleção ficou no sonho para Neto, que brilhava nos gramados defendendo o Corinthians (Foto: Reprodução TV) Seleção ficou no sonho para Neto, que brilhava nos gramados defendendo o Corinthians (Foto: Reprodução TV)

Publicidade

1990 – Neto
A Copa da Itália, em 1990 reuniu, pela primeira vez, todos os times campeões mundiais (na época, Uruguai, Brasil, Inglaterra, Itália, Alemanha e Argentina). Pouco se pode falar sobre desfalques marcantes, mas vale citar, por exemplo, a França. Em renovação, o país sofria sem Platini, Fernandez, Giresse e Six.

Jovens como Papin e eficientes como Sauzée lideravam o time dentro de campo, mas não deu para passar das Eliminatórias. O time, então comandado por Michel Platini como treinador, foi punida por ter apenas empatato com o Chipre, além da derrota para a Escócia. Custaram a classificação.

No Brasil, acreditava-se que o “gordinho” Neto seria convocado. Mas Sebastião Lazaroni não o chamou. O técnico optou por levar Tita e Bismarck, ambos do Vasco, fato que gerou muitas críticas.

Leandro e Renato Gaúcho, figurinhas fáceis na Seleção de 1982... só que não Leandro e Renato Gaúcho, figurinhas fáceis na Seleção de 1982… só que não (Foto: reprodução)

Publicidade

1986 – Renato Gaúcho, Leandro e Toninho Cerezzo
Essa Copa foi bem problemática para o Brasil. Pouco antes do embarque da Seleção para o México, Renato Gaúcho e o lateral direito Leandro fugiram da concentração para curtir a noite de Belo Horizonte. Foram descobertos.

Telê decidiu cortar Renato Gaúcho, mas Leandro tomou partido do companheiro e pediu dispensa. Outro que ficou fora do mundial foi Toninho Cerezo. O volante não conseguiu se recuperar de uma lesão sofrida antes da Copa.

 

O técnico Claudio Coutinho não pôde contar com o talento de Careca em 78 (Foto: Reprodução) O técnico Claudio Coutinho não pôde contar com o talento de Careca em 78 (Foto: Reprodução)

Publicidade

LEIA MAIS
> Outubro Rosa, camisa rosa: quais clubes aderem?
> Argentina fora da Copa: memes tomam a internet
> Qual será a camisa do Brasil na Copa da Rússia?
Nike e NBA se voltam para o mercado brasileiro
O São Paulo x Sport mais estranho que você já viu
Na ressaca dos 8 a 0, argentinos lembram do Botafogo
O que realmente importa na polêmica do gol de mão de Jô
Paolo Guerrero e o desafio de fazer história no Flamengo

1982 – Adílio, Tita, Perivaldo, Reinaldo e Careca
A Seleção Brasileira de 1982 é considerada por muitos como a melhor de todos os tempos, mesmo do que aquela de 1970. Será que poderia ter sido melhor? Mesmo com a derrota para a Itália, na fatídica “Tragédia do Sarriá”, o time deixou a competição sob olhares de admiração. Era um belo futebol.

Acontece que ao mesmo tempo o técnico Telê Santana sofria com a fama de teimoso. Muito em razão da não convocação de jogadores como Adílio, Tita, Perivaldo e Reinaldo. Para piorar, houve também o caso de Careca, que foi cortado quatro dias antes da estreia, por causa de lesão.

Em protesto contra a ditadura militar na Argentina, Cruyff não jogou a Copa de 1978 Em protesto contra a ditadura militar na Argentina, Cruyff não jogou a Copa de 1978

Publicidade

1978 – Johan Cruyff e Falcão
A Holanda chegou a sua segunda final consecutiva, depois do espetáculo ofensivo do famoso Carrossel de 1974. Mas o brilho não foi o mesmo sem Johan Cruyff, que se negou a ir à Argentina em protesto contra a ditadura militar que governava o país. Na final, apesar do jogo duríssimo, a Holanda acabou vencida pela raça e determinação dos argentinos.

No lado brasileiro, a surpresa foi a convocação de Chicão, do São Paulo. O técnico Cláudio Coutinho abriu mão do craque Falcão, que no futuro mostraria todo seu talento e se tornaria o “Rei de Roma”. Mesmo Rivelino chegou a ser especulado. O próprio jogador, à época, descartou sua participação na Copa pois “estava velho”.

Zico e Pelé poderiam ter jogado a Copa de 1974. Já imaginou? (Foto: Reprodução) Zico e Pelé poderiam ter jogado a Copa de 1974. Já imaginou? (Foto: Reprodução)

1974 – Pelé e Zico
Pode-se dizer que o grande desfalque da Seleção Brasileira na Copa de 1974 foi Pelé. O Rei do Futebol tinha 34 anos na época da competição, mas havia abandonado a Seleção após o título de 1970. Saiu por cima.

Publicidade

Mas, havia também o outro lado. Um jovem Zico dava suas primeiras demonstrações de talento na Gávea, com a camisa do Flamengo. Chegou a ser especulada a convocação do Galinho de Quintino, mas não rolou…

Dirceu Lopes, destaque do Cruzeiro fora da Copa de 1970 (Reprodução) Dirceu Lopes, destaque do Cruzeiro fora da Copa de 1970 (Reprodução)

1970 – Toninho Guerreiro e Dirceu Lopes
Toninho Guerreiro não teve muitas oportunidades com a camisa da seleção brasileira. Ele só jogou duas vezes com a amarelinha, com duas vitórias e quatro gols marcados. O ex-artilheiro foi cortado às vésperas da Copa de 1970. Ele afirmava que foi preterido porque o Presidente da República, Emílio Garrastazu Médici, preferia Dadá Maravilha. E Dirceu Lopes foi convocado para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 1970, sob o comando de João Saldanha. A convocação do meia para o Mundial era dada como certa, porém com a mudança de técnico, ele ficou fora da lista de Zagallo. O jogador defendia a seleção brasileira desde 1967 até próximo da viagem para o México.