Publicidade

Ricardo Sá Pinto foi demitido do Vasco cerca de dois meses depois de ter sido contratado para salvar a pátria. A sua saída fez ressurgir a polêmica sobre a presença de técnicos estrangeiros no Brasil. Desde que Jorge Jesus ganhou quase tudo com o Flamengo que o caminho para alguns clubes brasileiros passa por técnicos de fora do país.

Sampaoli Santos Brasileirão Sampaoli foi bem no Santos (Foto: Ivan Storti / Santos / Divulgação)

Jorge Jesus chegou a falar que os técnicos brasileiros estavam ultrapassados, despertando a ira de Cuca. Jair Ventura foi para o ataque e sugeriu exigir registro para os profissionais que chegam de outro país. Mas a verdade é que técnico estrangeiro nem sempre é certeza de sucesso.

Leia também

Edmundo faz as pazes com o filho
Confira as 20 transações mundiais mais caras da década
Cariocas têm contratações fracassadas de estrangeiros

Publicidade

Por isso o MAIS QUE UM JOGO faz um balanço de como foi o desempenho dos técnicos estrangeiros nos últimos meses:

Ricardo Sá Pinto

Sá Pinto durou pouco no Vasco. Mas foi o culpado? (Foto: Vasco)

Dois meses depois de ser contratado Ricardo Sá Pinto foi dispensado. Internamente se falava que o português não conhecia o elenco e insistia com esquema frágeis. Mas o mau momento político do clube e as carências do elenco servem de atenuante.

Ramón Díaz

Ramón Díaz conversou com os jogadores. Mas não treinou o Botafogo (Foto: Gabriel Baron/Botafogo)

Apesar de aparecer na lista, o argentino Ramón Díaz sequer estrou pelo Botafogo. Após ser anunciado se submeteu a uma cirurgia. Como o clube entendeu que ele demoraria na recuperação, o dispensou antes mesmo de começar o trabalho.

Jorge Jesus

Jesus Flamengo Jesus foi multicampeão no Flamengo (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação)

Publicidade

O mais vitorioso dos treinadores estrangeiros no Brasil. Ficou pouco mais de um ano no Flamengo, que conduziu aos títulos do Campeonato Carioca, Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores, Recopa Sul-Americana e Supercopa do Brasil. OO português deixou o clube para assumir o Benfica.

Domènec Torrent

Domènec Torrent chegou cheio de esperanças ao Flamengo. Mas saiu mal (Foto: Alexandre Vidal/CRF)

Se arrependimento matasse a diretoria do Flamengo estaria morta por conta de Domènec Torrent. Aposta do clube para suprir a ausência de Jorge Jesus o espanhol fracassou. O auxiliar de Pep Guardiola sofreu uma série de goleadas na Copa Libertadores e no Campeonato Brasileiro. Assim foi demitido sem sequer conhecer o elenco.

Abel Ferreira

Abel Ferreira assumiu o Palmeiras (Foto: PAOK)

O português assumiu o Palmeiras na vaga de Vanderlei Luxemburgo e melhorou sensivelmente o time, que está na briga pelo título da Copa do Brasil e da Copa Libertadores. Além disso briga na parte de cima da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro.

Eduardo Coudet

Coudet Internacional Brasileirão Coudet no comando do Inter (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)

Publicidade

O argentino Eduardo Coudet deixou oi futebol brasileiro por cima. Ele estava brigando pela liderança do Campeonato Brasileiro pelo IUnternacional quando largou o clube gaúcho e aceitou uma proposta do Celta da Espanha.

Jorge Sampaoli

Jorge Sampaoli dirige o Atlético-MG (Foto: Divulgação)

O argentino Jorge Sampaoli está no futebol brasileiro desde o ano passado, quando levou o Santos ao vice do Campeonato Brasileiro. Este ano vem conduzindo bem o Galo. Foi campeão mineiro e briga pelo título do Brasileirão.

Jesualdo Ferreira

Jesualdo Ferreira foi mal no Santos (Foto: Santos FC)

O português Jesualdo Ferreira foi contratado pelo Santos que queria manter o bom desempenho de Jorge Sampaoli. Mas o lusitano não foi bem e caiu após 15 jogos e uma precoce eliminação no Campeonato Paulista.

Rafael Dudamel

Dudamel sofreu com eliminações precoces no Galo. Assim o clube o demitiu (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Publicidade

Um dos grandes fiascos do futebol brasileiro em termos de técnicos estrangeiros. O Atkético-MG anunciou o venezuelano em janeiro de 2020. Mas o Galo o demitiu em fevereiro após precoces eliminações na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana.