Publicidade

Em um momento de pandemia do Coronavírus, sem a bola rolar, é hora de rever o passado. Alguns canais de televisão e portais apelam por reprisar jogos antigos. O Youtube nunca foi tão usado neste sentido. O MQJ então decidiu apostar em uma lembrança lá do fundo da memória. Vamos recordar alguns atletas que tiveram passagem relâmpago pelos seus times.

Isso mesmo. Alguns jogadores de expressão que atuaram por clubes de ponta, mas que não ficaram na memória do torcedor.

Leia também:

Publicidade

Paixão nacional! Você sabe o time dos principais políticos brasileiros?
Pernada ou chapéu? Relembre quando um clube roubou jogador do rival

O MQJ decidiu relembrar esses jogadores e verificar se você, torcedor, está com a memória em dia:

Túlio Maravilha no Fluminense

Túlio Maravilha no Fluminense (Foto: Arquivo pessoal)

Após brilhar pelo Botafogo e ter uma passagem apenas regular pelo Corinthians, Túlio Maravilha vestiu a camisa do Fluminense. Em 1999 foi contratado com status de artilheiro. Porém, fez apenas dez gols e foi dispensado em menos de seis meses. O mais marcante foi sua apresentação. Carregava o rótulo de botafoguense, piorou a situação ao trocar o nome do Tricolor pelo Glorioso na apresentação.

Athirson no Botafogo

Athirson fracassou no Botafogo (Foto: Arquivo Conmebol)

Publicidade

ìdolo do Flamengo, Athirson teve uma breve passagem pelo Botafogo em 2007. O jogador foi contratado para integrar o famoso Carrossel de Cuca. Porém, chegou no meio da temporada, quando as coisas começaram a desandar e ele acabou não vingando.

Loco Abreu no Grêmio

Loco Abreu foi capa de revista no Grêmio (Foto: Reprodução Placar)

Verdade que Loco Abreu já defendeu o Grêmio? Sim. O uruguaio que foi ídolo do Botafogo atuou no Tricolor gaúcho em 1998, ao lado de Ronaldinho Gaúcho. Foram sete jogos e um gol.

Renato Gaúcho no Galo

Renato Gaúcho fracassou no Galo (Foto: Reprodução TV)

Poucos lembram, mas Renato Gaúcho teve uma passagem pelo Atlético-MG em 1994. Ele tinha saído do Cruzeiro, onde foi campeão mineiro e da Supercopa da Libertadores, para defender o Galo. Porém, ao longo do ano fez apenas 15 jogos, marcando quatro gols. Como ele teve episódios de rivalidade com a torcvida atleticana antes da contratação, existia a expectativa pela sua chegada. Mas o clima foi de festa e aos gritos de “Renato, loucão, seu lugar é no Galão”.

Publicidade

Leia também:

Conheça Daniel Kelly: o ‘Messi escocês” que é alvo de gigantes
Novela! Veja os brasileiros que vão render na janela da Europa

Gaúcho no Fluminense

Gaúcho tinha faro de gol (Foto: Divulgação)

Ídolo do Flamengo, o atacante Gaúcho teve passagem bem apagada pelo Fluminense. Após fracassar no Galo, ele se transferiu para o Tricolor, onde chegou a disputar o Campeonato Brasileiro. Entrou em campo na famosa goleada de 5 a 2 para o Santos nas semifinais.

Valdir Bigode no Santos

Valdir Bigode na apresentação no Santos (Foto: Divulgação)

Publicidade

Apenas dois jogos e nenhum gol marcado. Essa foi a apagada trajetória de Valdir Bigode como atacante do Santos. O artilheiro vascaíno passou pela Vile Belmiro poucos meses no começo de 2000.

Donizete Pantera no Palmeiras

Donizete Pantera pelo Palmeiras (Foto: Arquivo JS)

Ídolo no Botafogo e no Vasco, Donizete Pantera foi contratado em 2001 pelo Palmeiras. Anotou apenas um gol em nove jogos e acabou indo embora.

Joffre Guerrón no Cruzeiro

Algoz do Fluminense na Copa Libertadores de 2008, Joffre Guerrón foi emprestado ao Cruzeiro após fracassar no Getafe. Porém durou poucos meses. O equatoriano não deixou saudades.

Gottardo no São Paulo

Gottardo atuou no São Paulo (Foto: Divulgação)

Publicidade

Wilson Gottardo viveu grandes momentos no Flamengo e no Botafogo. Porém, em 1995 defendeu o São Paulo. Fez poucos jogos e logo retornou ao Botafogo para ser campeão brasileiro.

Garrincha no Corinthians

Garrincha foi infeliz no Corinthians (Foto: Arquivo JS)

Mané Garrincha já vestiu a camisa do Corinthians. Em 1966, após deixar o Botafogo, ele fez 13 partidas no Timão, anotando apenas dois gols.

Sergio Goycochea no Inter

Goycochea em ação (Foto: Reprodução TV)

Sergio Goycochea tinha grande fama de pegador de pênaltis e em 1995 chegou ao Internacional com status de estrela. O arqueiro fez 26 jogos, mas acabou saindo após algumas falhas.

Carlos Alberto Dias no Flamengo

Carlos Alberto Dias ao lado de Charles Baiano (Foto: Arquivo JS)

Publicidade

O meia Carlos Alberto Dias chegou ao Rio de Janeiro trazido pelo Flamengo. Mas o Botafogo deu a volta e o levou para General Severiano. Porém, em 1994, após brilhar no Glorioso e no Vasco, o jogador teve apagada passagem pelo Flamengo. Foram cinco gols em 18 jogos e apenas seis meses de contrato.

Roberto Dinamite na Portuguesa

O Vasco não foi o único clube de colônia portuguesa que o artilheiro Roberto Dinamite atuou. Brigado com a diretoria vascaína, ela fez 17 jogos pela Portuguesa em 1989. E o faro de gol foi positivo: nove balanços de rede.

Nunes no Santos

Nunes jogou no Santos (Foto: Arquivo JS)

Atacante titular do Flamengo na Era Zico, Nunes rodou pela Vile Belmiro em 1985. Pelo Santos fez 17 jogos e marcou cinco gols. Mas teve passagem bem apagadinha.

Neto no Atlético-MG

Publicidade

O polêmico craque Neto está marcado na história do Corinthians. Porém, em 1994 defendeu o Galo na tentativa do Atlético-MG de montar a Sele-Galo. Gaúcho e Renato Gaúcho foram alguns dos nomes que fracassaram no Galo naquele time. Neto atuou em apenas nove jogos e fez dois gols.

Fábio Baiano no Vasco

Fábio Baiano na apresentação (Foto: Divulgação)

Fábio Baiano na apresentação (Foto: Divulgação)

Poucos se lembram, mas Fábio Baiano defendeu a camisa do Vasco. Foi em 2006, quando foi contratado junto com outro ex-flamenguista, Leonardo Inácio. Só que Fábio Baiano durou apenas seis jogos e n]ão fez nenhum gol.

Danrlei no Fluminense

Danrlei em sua estreia no Flu (Foto: Reprodução TV)

O goleiro Danrlei fez história no Grêmio. Porém, em 2004 foi defender o Fluminense. Fracasso total. Reserva absoluto e utilizado apenas em três partidas.