Fluminense, Futebol Brasileiro

Bragantino já foi filial do Fluminense. Mas criou problemas…

Bragantino que duelou com o Fluminense em 1991 (Foto: Arquivo JS)

O Bragantino despontava para o futebol há 30 anos, em 1990, quando, liderado por Vanderlei Luxemburgo, conquistava o título do Paulistão. Mas um ano depois, em 1991, foi vice-campeão brasileiro. Naquela temporada o Bragantino chegou a ser apelidado de filial do Fluminense pela grande quantidade de jogadores que tinha sido revelados pelo Tricolor. Mas o Braga criou sérios problemas para o Fluminense.

Bragantino que duelou com o Fluminense em 1991 (Foto: Arquivo JS)

No Campeonato Brasileiro de 1991 o Bragantino era dirigido por Carlos Alberto Parreira, treinador de grande identificação com o Fluminense. E os dois times se cruzaram justamente nas semifinais. No jogo de volta, no Maracanã, o Braga surpreendeu e ganhou por 1 a 0. Assim os paulistas avançaram, pois seguraram o empate por 1 a 1 no interior paulista. Mas na decisão acabariam derrotados pelo São Paulo.

Leia também:

Contrato profissional é forma de Fluminense blindar Arthur
Odair Hellmann testa negativo para Covid e comanda Flu contra o Bragantino

Parreira era o técnico do Bragantino (Foto: Arquivo pessoal)

Franklin fez para o Bragantino contra o Fluminense

Naquele ano o Bragantino tinha em seu elenco oito jogadores revelados pelo Bragantino. Três deles eram destaques do time. O meia João Santos funcionava como uma espécie de maestro. No ataque, o ponta Franklin costumava entrar no decorrer dos jogos para infernizar a vida do rival. Os dois trabalhavam para as conclusões certeiras do goleador Sílvio. Três atletas desprezados no Fluminense, mas que brilharam no Bragantino.

Curiosamente os dois gols que o Bragantino anotou contra o Fluminense naquela semifinal de Campeonato Brasileiro foram anotados por Franklin, que acabou virando uma espécie de carrasco do ex-clube.

O elenco do Bragantino ainda contava com o goleiro Gabriel, o lateral Carlos André, o meia Robert e os atacantes Ronaldo Alfredo e Alberto. Assim, se a realidade fosse nos dias de hoje o Fluminense já poderia se preocupar com a “lei do ex”.

Você Também pode gostar