Publicidade

Um “breve respiro” para se dedicar à semifinal do Campeonato Carioca e agora o Fluminense pode voltar a se concentrar na Libertadores. Na quinta-feira, o Tricolor tem mais um compromisso pelo torneio e enfrenta o Junior Barranquilla, na Colômbia. O técnico Roger Machado vai se debruçar sobre o rival colombiano.

Roger poupou a maioria dos titulares contra a Portuguesa, neste domingo, no Estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador. Ele também sente os efeitos da maratona de jogos. O próximo passo é apurar o olhar para desvendar o Junior.

Roger Machado Fluminense Roger Machado vai se aprofundar sobre Junior Barranquilla | Foto: Mailson Santana / Fluminense / Divulgação

“Teremos grau de dificuldade superior pelas características diferentes do nosso adversário. Por entre outras coisas, ter centroavante à frente que é o Borja, com quem trabalhei no Palmeiras. Sei das suas virtudes para procurar espaços em profundidade curta para perto do gol. Mas a gente pensa jogo a jogo. Não há espaço mental para pensar no jogo de quinta agora. A recuperação mental e emocional não aconteceu ainda desde o jogo da Colômbia. Vim para o jogo mentalmente exaurido, precisando fazer esforço grande muito importante. Procuramos descansar fisicamente e estudar a partir de agora. Não vi nada ainda do adversário, mas vi jogo na primeira rodada, é claro, mas é um olho de análise, olhar de observação é diferente”, declarou o técnico.

Fluminense dá passo rumo à final do Carioca

Publicidade

O Fluzão se divide em duas frentes. No Campeonato Carioca, o Tricolor está a um empate da final. Por ter ficado à frente da Portuguesa na fase de classificação, o Flu tem a vantagem de jogar por dois resultados iguais. Desta forma, pode empatar no próximo domingo, no Maracanã. Roger Machado analisou o primeiro duelo com a Lusa.

Relacionadas

Ganso Fluminense
Martinelli Fluminense

“Vantagem ela é sempre vantagem. Pequena vantagem construída por colocação boa que tivemos na outra fase. O jogo foi muito duro, digno de semifinal de campeonato regional. O jogo foi mais aberto em alguns momentos, em outros foi de transição e organização, alternando domínios de cada lado. Criamos quatro, cinco situações de gol e eles também criaram. Houve jogadas de velocidade, de contra-ataque. Porém, os dois gols terminaram sendo decididos pelo VAR. Mas jogamos bem, rendemos bem, qualquer uma das equipes podia sair com resultado a seu favor. No fim do jogo tivemos, talvez, a chance mais clara, com Caio Paulista e com o Raúl Bobadilla, o que poderia nos dar vantagem maior”, declarou Roger.

A semifinal do Campeonato Carioca conta com a presença do VAR. No duelo entre Portuguesa e Fluminense, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães recomendou a revisão de dois lances, um de cada lado, de mão na bola. Os pênaltis foram marcados. A Lusa e o Flu fizeram os gols assim.

Comentários