Publicidade

O Flamengo voltou do Paraguai com uma boa vantagem no duelo com Olimpia pelas quartas de final da Libertadores e revoltado por manifestações racistas de torcedores locais.

Na chegada ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira, vários jogadores se manifestaram contra o ocorrido. No aeroporto Tom Jobim, Gabigol foi um dos que falou com a imprensa.

Gabigol Flamengo 120821 Gabigol cobra punição | Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

– Eu sofri também. Depois do jogo, tive que dar coletiva, atravessei o campo e discuti com o cara da Conmebol. Eles falaram que iam denunciar e não aconteceria mais. É muito ruim. Isso não existe mais. Ficamos tristes e não é a primeira vez. Aconteceram várias vezes comigo, com colegas e não gostamos – afirmou o camisa 9.

Relacionadas

Publicidade

Gabigol lamentou ainda a inércia da Confederação Sul-Americana (Conmebol) com esses casos.

– Sabemos que eles acabam passando um pano e segue o jogo, mas sempre acho que isso não é certo. Espero que tomem uma decisão importante sobre isso, porque não é certo – protestou.

Gabigol se torna o sexto maior artilheiro brasileiro da Libertadores

Gabriel Batista aumenta protesto no Flamengo

Publicidade

Já o goleiro reserva Gabriel Batista se manifestou pelas redes sociais.

“Grande resultado hoje. Primeiro passo foi dado! Infelizmente alguns ignorantes da torcida adversária foram racistas comigo e com meus colegas. Pleno 2021 e ainda somos obrigados a passar por isso. É INACREDITÁVEL e LAMENTÁVEL que ainda exista esse tipo de postura e pessoas ruins e fracas de espírito. NÃO HÁ MAIS ESPAÇO PRA ISSO E NÃO NOS CALARÃO” postou o jogador em sua conta oficial do Instagram.

O técnico Renato Gaúcho também não se calou diante da situação e se manifestou logo após a partida, em sua coletiva.

Publicidade

– Infelizmente tem acontecido no mundo isso, injúria racial. Cobrei muito do quarto árbitro, do delegado do jogo, passamos para a nossa diretoria. Eles vão tomar as devidas providências. Isso choca, isso entristece. É uma coisa muito triste, que acontece não só no Brasil, mas no mundo todo. Nós, profissionais, temos a chance de falar e nos manifestar. É importante cobrar isso para que as autoridades possam tomar as previdências. Agora é com a diretoria do clube – disse Renato.

De volta ao Rio, o Flamengo volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, o Rubro-Negro encara o Sport, em Volta Redonda. O duelo de volta contra o Olimpia será na próxima quarta-feira, em Brasília.

Comentários