Publicidade

O interesse é mútuo, a relação é a boa e a proposta está em mãos. Falta pouco para o final feliz. Esta é a situação entre Flamengo e Rafinha. O clube se aproxima de sacramentar o retorno do lateral-direito. Vice-presidente de futebol, Marcos Braz explica como anda a negociação.

Rafinha Flamengo

Rafinha negocia retorno ao Flamengo | Foto: Marcelo Cortes / Flamengo / Divulgação

“Já encaminhamos uma proposta do Flamengo, apresentando algumas questões diferentes de quando ele chegou aqui no ano retrasado. Passamos para ele todos os itens, colocamos alguns pontos em relação ao que o Flamengo e todos os times estão passando. Esperamos ser compreendidos por ele. As questões estão avançadas, mas temos tempo para fazer essa contratação, o atleta também tem tempo para avaliar as questões, e esperamos um final feliz como na primeira vez. Não depende só do Flamengo”, declarou Marcos Braz, nesta terça-feira.

LEIA MAIS! Flamengo vai para cima: Gabigol, BH e Arrascaeta não preocupam

Publicidade

Rafinha está livre no mercado da bola desde que rescindiu contrato com Olympiacos, da Grécia. O lateral-direito, campeão da Libertadores e do Brasileiro pelo Flamengo, entre outros títulos, trocou o clube carioca pelo grego em agosto do ano passado.

LEIA MAIS! Mais uma venda: clube turco deseja comprar Piris da Motta

A oferta do Flamengo é um patamar salarial parecido com o que o lateral-direito tinha na época em que deixou o clube. A ideia é a de um contrato de uma temporada.

Além de Rafinha, Flamengo no mercado da bola

Publicidade

A primeira contratação do Flamengo para a próxima temporada foi a do zagueiro Bruno Viana, emprestado pelo Braga, de Portugal. Rafinha tem tudo para o ser o seguinte. Braz abordou a atuação rubro-negra no mercado da bola e ressaltou que é um ano diferente, em função dos impactos da pandemia da Covid-19.

“O Flamengo está sempre atento ao mercado. Se tiver necessidade de contratações, serão feitas. Mas o mundo é outro hoje. Temos de fazer as coisas com mais tranquilidade. Existem ainda incertezas sobre público, sócio-torcedor e questões que nos colocam num grau de avanço menor do que em janelas para trás”, acrescentou.