Publicidade

O Vasco começou a década como um trem-bala. Foi justamente em 2011, com a Copa do Brasil, a maior glória do clube no período. De lá até 2020, o Gigante da Colina amargou momentos ruins e crise política, além de rebaixamentos.

LEIA MAIS! Sá Pinto lamenta saída do meia Benítez do Vasco

Além da Copa do Brasil, o Vasco ganhou dois Cariocas de 2011 a 2020. E encerra a década sempre com aquele lance do Diego Souza, na Libertadores de 2012, em mente. Está na retrospectiva, claro.

Dez momentos marcantes do Vasco na década

Título da Copa do Brasil

Publicidade

A década vascaína começou com um título inédito: o da Copa do Brasil. Fernando Prass, Dedé, Anderson Martins, Felipe, Diego Souza e Alecsandro eram os principais nomes do “Trem-Bala da Colina”, como o time ficou conhecido.

Vasco Copa do Brasil 2011 A festa do título da Copa do Brasil | Foto: Vasco / Divulgação

Na final, após vencer o jogo de ida, em São Januário, por 1 a 0, o Vasco perdeu a volta por 3 a 2, no dia 8 de junho, mas garantiu o título pelo critério do gol marcado fora de casa.

Susto com Ricardo Gomes

Técnico campeão da Copa do Brasil, Ricardo Gomes deu um susto no Vasco e no futebol brasileiro. No dia 28 de agosto de 2011, ele passou mal no banco de reservas no clássico com o Flamengo, no Engenhão.

Ricardo Gomes Vasco Ricardo Gomes passou por momento delicado | Foto: Marcelo Sadio / Vasco / Divulgação

Publicidade

Ricardo Gomes sofreu um Acidente Vascular Encefálico (AVE) e precisou se afastar do time. Então auxiliar, Cristóvão Borges assumiu o comando do Vasco. Ricardo Gomes voltou ao clube como diretor-técnico.

A Libertadores de 2012

Sob o comando de Cristóvão Borges, o Vasco chegou às quartas de final da Libertadores e encarou o Corinthians. No jogo de ida, em São Januário, empate sem gols. Na volta, no Pacaembu, Diego Souza ficou cara a cara com Cássio, mas o goleiro corintiano salvou.

Diego Souza Diego Souza parou em Cássio | Foto: Marcelo Sadio / Vasco / Divulgação

Para piorar a situação, o volante Paulinho, aos 43 minutos do segundo tempo, marcou e definiu a vitória do Corinthians e a eliminação do Vasco. O lance de Diego Souza virou “assombração” para a torcida vascaína.

Cenas de selvageria

Publicidade

Em 2013, o Vasco amargou o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Na última rodada, o clube carioca foi goleado pelo Athletico-PR por 5 a 1, em Joinville. O jogo ficou marcado por um briga generalizada entre torcedores, com cenas de selvageria.

Vasco Briga na arquibancada paralisou o jogo | Foto: Marcelo Sadio / Vasco / Divulgação

Eurico Miranda volta à presidência do Vasco

Uma das principais figuras políticas da história do Vasco, Eurico Miranda retornou à presidência do clube ao vencer a eleição de novembro de 2014. Frasista e controverso, Eurico logo cunhou a frase “O respeito voltou”.

Eurico Miranda é figura marcante do clube | Foto: Divulgação / CRVG

Outra frase de efeito não deu muito certo. Eurico cunhou outra declaração de impacto: “Se o Vasco cair eu vou para Sibéria”. O Gigante da Colina, em 2015, não evitou a queda. Eurico precisou se explicar.

Publicidade

O dirigente ficou na presidência até 2017 e perdeu uma eleição controversa. Eurico faleceu em 2019.

Vasco conquista o Carioca de 2015

Em 2015, o Vasco encerrou um jejum de 12 anos e voltou a ser campeão carioca. O último título havia sido em 2003. Sob o comando de Doriva e com jogadores como Martín Silva, Rodrigo, Luan, Guiñazú e Gilberto, o Gigante da Colina eliminou o Flamengo na semifinal e disputou a decisão com o Botafogo.

Rafael Silva Vasco Rafael Silva brilhou na decisão | Foto: Marcelo Sadio / Vasco / Divulgação

No jogo de ida, vitória por 1 a 0, gol de Rafael Silva. No segundo jogo, nova vitória, desta vez por 2 a 1, gols de Rafael Silva e Gilberto. Vasco campeão.

Invicto, Vasco fatura o bicampeonato

Publicidade

Em 2016, o Vasco sobrou no Campeonato Carioca e conquistou o bicampeonato. E de forma invicta. Sob o comando de Jorginho, e com nomes como Martín Silva, Rodrigo, Luan, Marcelo Mattos, Andrezinho, Nenê e Jorge Henrique, o Gigante da Colina faturou o título categoricamente.

Vasco Festa de bicampeão | Foto: Paulo Fernandes / Vasco / Divulgação

O Vasco fechou a Taça Guanabara na primeira colocação. Na semifinal do Carioca, venceu o Flamengo por 2 a 0 e eliminou o rival. No primeiro jogo da decisão, ganhou do Botafogo por 1 a 0, gol de Jorge Henrique. Na partida de volta, empate por 1 a 1, gol de Rafael Vaz.

Retorno à elite

Após ser rebaixado outra vez em 2015, o Vasco subiu em 2016. Em um Maracanã lotado, o Gigante da Colina venceu, de virada, o Ceará por 2 a 1, com dois gols de Thalles, e sacramentou o retorno à Série A.

Thalles Vasco Thalles foi decisivo | Foto: Carlos Gregório Jr / Vasco.com.br / Divulgação

Vasco vive eleição controversa em 2017

Publicidade

A eleição presidencial em 2017 foi recheada de polêmica. Eurico Miranda venceu nas urnas, mas a Justiça suspendeu os 475 votos da urna 7, que estava sob suspeita. Desta maneira, o candidato Julio Brant venceu o pleito. Fim da confusão? Quase…

Alexandre Campello venceu eleição polêmica (Foto: Divulgação Vasco)

A chapa encabeçada por Julio Brant, então, venceu a eleição. O vice era Alexandre Campello. Na sequência do processo vascaíno, no Conselho Deliberativo, Campello, que rompeu com Brant, foi eleito presidente.

Foi a primeira vez na história do clube que o Conselho Deliberativo não elegeu o presidente que havia vencido nas urnas.

Nova eleição polêmica

Publicidade

O Gigante da Colina fechou a década com nova eleição conturbada. No primeiro pleito, em novembro, em uma apuração polêmica, Leven Siano teve mais votos. Porém, a Justiça já havia mandado parar a eleição.

Leven Siano passou a se considerar presidente. Em nova eleição, híbrida (presencial e online), e sem Leven e Alexandre Campello, que retiraram a candidatura, Jorge Salgado ganhou o pleito e foi confirmado pela Justiça, mas a oposição ainda não se deu por vencida e promete recorrer.

Jorge Salgado, Vasco Jorge Salgado, ao centro, comemora vitória | Foto: Divulgação