Pragmático, Sá Pinto valoriza ponto contra o Fortaleza

publicado em 20/11/2020 às 9:50

Assim como em 2019, o Vasco está ameaçado de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Com jogos a menos que os rivais próximos ou dentro do G-4, vencer os jogos adiados daria uma folga à equipe na tabela. Entretanto, no primeiro desses, contra o Fortaleza, nesta quinta-feira, o time só empatou. Pragmático, Sá Pinto valorizou o ponto conquistado.

Ricardo Sá Pinto (Reprodução VascoTV)

O Fortaleza se impôs em São Januário e esteve mais perto da vitória que o Cruzmaltino. Com oito atletas ausentes com Covid, entre eles quatro titulares, o Vasco não fez uma boa partida. Então, diante das circunstâncias, o 0 a 0 acabou não sendo um mau resultado para o treinador.

– Não podemos fazer de uma forma leviana porque só os três pontos é que valem. Temos que ganhar, mas não podemos perder. Não estou contente com o resultado, mas não foi possível. Temos que tirar o melhor do que foi possível – afirmou Sá Pinto na coletiva após a partida.

– Portanto, quando não se pode ganhar, não podemos perder. Estamos há não sei quantos jogos sem sofrer gols. Claro que queríamos ganhar, os três pontos interessavam, enfim – completou.

Leia também:

Vasco só empata com Fortaleza e não consegue embalar

Fernando Miguel admite: ‘Fortaleza foi um pouco superior’

O Vasco se manteve na 16ª colocação, na porta da zona do rebaixamento. Uma vitória teria levado a equipe a ganhar várias posições. Além disso, o treinador entende as dificuldades continuarão presentes.

– Vai ser uma luta até o final. Espero que não seja uma luta na parte de baixo, se ganhássemos estaríamos no 10º lugar. Falta ainda muita coisa, logicamente. Essas baixas de Covid-19, cartões, têm sido difíceis. Não sou uma pessoa de dar desculpas. Tenho que valorizar o que eu tenho e acreditar que eles vão conseguir o resultado positivo. É o que queremos e acreditamos.

O Vasco ainda tem um jogo adiado a cumprir da primeira rodada, mas o adversário será o Palmeiras, em São Paulo.

Deixe seu comentário:

Comentário