Publicidade

A nona rodada do Campeonato Brasileiro provocou a maior dança das cadeiras entre os técnicos da Série A até o momento, com a saída de três treinadores. Agora, a conta geral da temporada indica: dez clubes já mudaram de técnico de janeiro para cá – 50% da elite do futebol nacional.

Zé Ricardo pediu demissão no Vasco | Foto: Carlos Gregório / Vasco.com.br / Divulgação

No sábado, Zé Ricardo pediu demissão do Vasco. A dança das cadeiras continuou no domingo. O Bahia demitiu Guto Ferreira. Jorginho, após apenas três jogos, pediu para deixar o Ceará.

Leia também:

Publicidade

Dez supertransfências que podem agitar o mercado da bola
Mascherano faz história: os atletas com mais jogos pela Argentina
Os técnicos do Brasil em todas as Copas: Tite se junta a seleto grupo
Valor de mercado: qual atleta mais valioso do Brasileirão? Veja o top 10
Real Madrid aumenta dinastia na Champions League: a lista de campeões
Seleção Brasileira dos não convocados? Brasil teria um time de respeito

O trio se soma a Fábio Carille, a Nelsinho Baptista e a Marcelo Chamusca, outras trocas de comando com o Brasileiro em curso, sendo duas do Ceará. Ao todo, na Série A, quatro mudanças partiram dos técnicos (Nelsinho, Carille, Zé Ricardo e Jorginho pediram para sair), enquanto sete trocas foram escolhas dos clubes (demissões).

A dança das cadeiras da Série A

O Galo foi o primeiro time a trocar de técnico. Oswaldo de Oliveira foi demitido no dia 9 de fevereiro. Ele virou o ano no clube – foi contratado para brigar por vaga para a Libertadores, mas não conseguiu o objetivo. O Atlético começou 2018 sem convencer. Além disso, Oswaldo se envolveu em polêmica e discutiu com um jornalista. Thiago Larghi vem comandando o Galo, mas ainda na condição de interino.

Oswaldo foi o primeiro técnico da Série A a cair | Foto: Bruno Cantini / Atlético / Divulgação

Publicidade

O Botafogo trocou de técnico um dia depois do Galo. Felipe Conceição, que havia assumido o time para esta temporada, em substituição a Jair Ventura, foi demitido logo após a derrota para o Flamengo na semifinal da Taça Guanabara. O Fogão já havia caído na primeira fase da Copa do Brasil. Alberto Valentim foi contratado e ganhou o título estadual.

Felipe Conceição não durou muito no Botafogo | Foto: Vítor Silva / SSPress / Botafogo

O mês de fevereiro derrubou outro técnico. O Paraná, de volta à Série A, demitiu Wagner Lopes após sete jogos, sendo uma vitória, três empates e três derrotas. Ele havia retornado ao clube em janeiro. Rogério Micale foi contratado pelo clube.

Wagner Lopes comandou o Paraná em sete jogos | Foto: Paraná / Divulgação

Dorival Júnior foi demitido do São Paulo em março. A campanha irregular no Campeonato Paulista, com derrotas também em clássicos, cobrou o preço. Ele deixou o Tricolor após 40 jogos, sendo 17 vitórias, 11 empates e 12 derrotas, com 51,6% de aproveitamento dos pontos disputados. Dorival foi contratado no ano passado com a missão de salvar o time do rebaixamento. Conseguiu, mas o desgaste era claro. O São Paulo escolheu Diego Aguirre como substituto.

Dorival não resistiu à derrota para o Palmeiras | Foto: Paulo Pinto / saopaulofc.net / Divulgação

Publicidade

A outra demissão de março – esta no dia 29 – foi a de Paulo César Carpegiani. A eliminação para o Botafogo cobrou o peso. O técnico comandou o Flamengo em 17 jogos, com 11 vitórias, três empates e três derrotas (aproveitamento de 70,5%). O Fla fez uma limpa no departamento de futebol. Além de Carpegiani, demitiu Rodrigo Caetano (então diretor-executivo), Mozer (gerente de futebol) e Jayme de Almeida (auxiliar). O Flamengo está perto de completar um mês sem a definição de quem é, efetivamente, o técnico do time. Maurício Barbieri é interino no cargo.

Carpegiani foi o 12º técnico do Flamengo na era Bandeira de Mello | Foto: Gilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Abril quase passou em branco, mas Nelsinho Baptista, no fim do mês, pediu demissão do Sport após 17 partidas. Ele disparou contra a diretoria (“Não consigo trabalhar com pessoas que enganam todo mundo”) e expôs problemas do clube, como crise financeira e atrasos salariais. O clube contratou Claudinei Oliveira.

Nelsinho Baptista pediu demissão no Sport | Foto: Sport / Divulgação

Sem vencer no Brasileiro, o Ceará demitiu Marcelo Chamusca no dia 20 de maio, após a sexta rodada. Chamusca havia subido com o time para a elite. Jorginho foi contratado para o seu lugar. Depois de três jogos e três derrotas, pediu para sair, neste domingo.

Jorginho alegou fatores pessoais para sair do Ceará | Foto: Israel Barbosa / cearasc.com / Divulgação

Publicidade

O atual campeão brasileiro perdeu Fábio Carille em maio. O técnico acertou com Al-Wheda, da Arábia Saudita e anunciou a saída do Corinthians no dia 22. O Timão optou por Osmar Loss, então auxiliar.

Carille foi para Arábia Saudita | Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians / Divulgação

Junho começou de forma agitada para os técnicos. Zé Ricardo, após derrota para o Botafogo, no sábado, pediu demissão do Vasco. Ele estava no clube desde agosto e havia levado o time para a Libertadores.

Um dia depois, o Bahia demitiu Guto Ferreira após a derrota para o Grêmio, na Arena Fonte Nova. O time baiano está na zona da degola do Brasileiro.

Guto não resistiu à derrota para o Grêmio | Foto: Bahia / Divulgação