Publicidade

Se a edição da Super Copa do Mundo de Clubes fosse hoje, o Brasil teria apenas o Atlético-MG na briga (Foto: Divulgação) Se a edição da Super Copa do Mundo de Clubes fosse hoje, o Brasil teria apenas o Atlético-MG na briga (Foto: Divulgação)

A Fifa está empenhada em fazer uma revolução no futebol. Isso implica acabar com a Copa das Confederações, além de remodelar o Mundial de Clubes. A ideia central é criar um Super Mundial de Clubes já no ano 2021.

A própria entidade reconhece que há muito trabalho pela frente. O que a Fifa quer é criar um campeonato com 24 equipes a cada quatro anos, representando os cinco continentes. Seria mesmo uma Copa do Mundo de Clubes.

Publicidade

No mapa inicial, a Europa teria 12 clubes participantes. Seriam eles os quatro últimos vencedores da Liga dos Campeões, os últimos quatro finalistas e os outros com melhores coeficientes de rendimento no mesmo período.

Simulando a competição hoje, os participantes europeus seriam:

01 Real Madrid
02 Barcelona
03 Atlético de Madrid
04 Juventus
05 Bayern de Munique
06 Paris Saint-Germain
07 Sevilha
08 Manchester City
09 Borussia Dortmund
10 Benfica
11 Arsenal
12 Porto

Publicidade

Os clubes representariam a supremacia total do futebol espanho na Europa, deixando para Inglaterra, Portugal e Alemanha duas vagas e, pior ainda, apenas uma vaga para a França e para a Itália.

Cristiano Ronaldo,  maior artilheiro da história da Liga dos Campeões, estaria na competição hoje| Foto: Reprodução Real Cristiano Ronaldo, maior artilheiro da história da Liga dos Campeões, estaria na competição hoje| Foto: Reprodução Real Madrid

América do Sul

O continente sul-americano seria o segundo em prioridade, com cinco clubes. A Fifa ainda não definiu claramente como seria o ranking no caso, mas sabe-se que a Libertadores entraria como prioridade. Algo como os quatro últimos campeões da Libertadores, além do clube melhor posicionado no ranking na Conmebol.

Assim, o predomínio seria argentino, sendo o Atlético-MG o único clube brasileiro participante. Confira a simulação caso fosse hoje a competição:

Publicidade

01 Atlético Nacional
02 River Plate
03 San Lorenzo
04 Atlético-MG
05 Boca Juniors

África, Ásia e América do Norte

Cada continente desse teria dois representantes, conforme mapa inicial da Fifa. Difícil prever como seria esse ranking. No caso da América do Norte, por exemplo, escolhendo os dois últimos melhores da Concacaf, teríamos apenas representantes mexicanos – Pachuca e América.

Restam algumas questões a definir, como a 24ª vaga, no caso de confederações com menor projeção no futebol. Cabe decidir se haveria um torneio ou se a vaga seria diretamente da Oceania.

Copa do Mundo de Clubes

Publicidade

O campeonato seria dividido em oito grupos de três equipes cada. Seria um total de cinco jogos até a final, ou seja, o melhor de cada grupo iria para as quartas. Depois viria a semifinal e a decisão. Assim, a Copa do Mundo de Clubes teria duração de 20 dias.

Com a extinção da Copa das Confederações, essa nova competição seria realizada no ano anterior à Copa do Mundo. A sede seria o país responsável pelo mesmo país da Copa, mas a questão do Catar, considerando o clima local, seria de descarte.

A informação não é oficial, mas o que se estipula é que a China seria o país do pontapé inicial dessa “revolução” da Fifa.

Publicidade

Leia também:

Efeito Itália fora da Copa: Calcio desvalorizado
No mercado! Júlio César descarta aposentadoria por enquanto e aguarda propostas
Daniel Alves solta o verbo: ‘Deixei a Juventus porque não me divertia’
Xô, degola: o que Vitória, Coritiba, Sport e Avaí têm de fazer para escapar da queda
Vagas na Libertadores: o que Flamengo, Vasco, Botafogo, Chapecoense e Galo precisam
Falhas de Muralha: futebol é rico em erros de ‘pressionados’
A meta (praticamente de artilheiro) de Paulinho no Barcelona