Publicidade

O time principal do Flamengo fez apenas seu segundo jogo na temporada, mas a intensidade na goleada sobre o Madureira chamou a atenção. Na semana passada, em seu primeiro jogo, o Rubro-Negro causou boa impressão ao vencer o fraco Bangu por 3 a 0. Mas nesta segunda-feira, diante de uma equipe bastante superior, foi ainda melhor.

Rogério Ceni (Divulgação Flamengo)

O Tricolor suburbano, única equipe invicta no Carioca após sete rodadas, não resistiu ao volume de jogo da equipe de Rogério Ceni. No intervalo, o Flamengo já vencia por 4 a 0, e poderia ser cinco se não fosse um gol mal anulado de Gabigol.

Para Ceni, a parada e o período de treinamento após a conquista do Campeonato Brasileiro em fevereiro foram fundamentais.

Publicidade

– Melhor do que no jogo passado, mais intenso, mais gols, mais chances criadas. Mas o que eu vejo é um aumento significativo da parte física com essa parada, esse descanso. Se não foi uma pré-temporada completa, só com 14 dias trabalhando, mas serviu para revigorar a energia do elenco. Tá todo mundo muito focado, querendo muito os resultados, independente do adversário – analisou o treinador.

Leia também: 

Flamengo goleia e acaba com a invencibilidade do Madureira

Publicidade

Gabigol: ‘Nosso time tem casca’

Rogério Ceni, entretanto, ainda vê espaços para melhoras e prevê mais evolução com a sequência de jogos.

– Uma equipe sempre tem algo a melhorar. Hoje, por exemplo, tomamos um gol de bola parada, que não é comum. Mas a gente tem sempre ajustes a fazer. A gente tende a crescer com o maior número de jogos, encorpar. É um grupo que joga há muito tempo junto, com algumas mudanças de posição que a gente dez do ano passado pra cá. Mas o que eu mais vejo é o crescimento do interesse, da parte física – concluiu.

Publicidade

Depois de duas partidas pelo Estadual, o Flamengo terá um desafio bem maior no próximo domingo, em Brasília. O Rubro-Negro decidirá com o Palmeiras o título da Supercopa do Brasil.