Publicidade

O novo presidente do Botafogo será Durcesio Mello. Ele vai dirigir o Glorioso pelo próximo quadriênio (2021-2024) e assume na vaga de Nelson Mufarrej, que deixará o mandato em 1 de janeiro. Durcesio Mello se candidatou pela Chapa Preta e Branca e conseguiu após a terceira urna apurada 477 dos 824 votos válidos. Assim nem foi preciso o resultado da última urna. Em segundo lugar ficou o outro nome da oposição, Walmer Machado da Chapa Verde com 229 votos.

Durcesio Mello na hora da votação (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Candidato de situação, Alessandro Leite, da Chapa Ouro, ficou em último lugar com 124 votos. Isso é uma expressiva derrota para o grupo político Mais Botafogo, que elegeu nos dois últimos mandatos Carlos Eduardo Pereira e Nelson Mufarrej. O atual presidente tem popularidade muito baixa junto a associados e torcedores. Cinco sócios votaram nulo.

Leia também:

Publicidade

Botafogo segue com muitos desfalques
Rafael reitera desejo de jogar no Botafogo

Com apoio do eterno presidente Carlos Augusto Montenegro e da família de Bebeto de Freitas, Durcesio Mello tem 63 anos e é empresário do ramo da aviação e alimentação. Além disso é engenheiro. Bem relacionado, é um dos apaixonados pelo projeto de transformação do clube em empresa.

– A palavra de ordem na nossa gestão será transformação. Isso aqui é Botafogo e temos que transformar o clube – comemorou o novo presidente pouco depois do pleito.

Durcesio Mello terá desafios pela frente no Botafogo

Durcesio Mello, à direita, tem apoio de Montenegro (Foto: Divulgação)

Publicidade

O grande desafio de Durcesio Mello será justamente transformar o Botafogo em empresa e gerir um clube com dívida superior a R$ 1 bilhão. Além disso ele corre risco de ter um time na Segunda Divisão doi Campeonato Brasileiro, já que o Botafogo aparece na zona de rebaixamento.

Durcesio Mello tem como seu vice Vinícius Assumpção, que fez parte de gestões passadas do clube, mas que estava afastado. A sua candidatura conseguiu reunir a maioria dos nomes de oposição e isso foi decisivo no triunfo.

A eleição transcorreu de maneira tranquila, mas na parte da noite torcedores de uma facção tentaram invadir o pleito e isso gerou muita confusão. A segurança foi reforçada e o clima de tensão foi contornado. Estavam aptos para votar 1.691 sócios, mas a pandemia acabou reduzindo esse número a 824.