Publicidade

Com a reformulação do departamento de futebol em vigor, coube a Fábio Cortez comandar o Vasco na reta final da Série B. O Gigante da Colina cumpre tabela, em um fim de ano melancólico e marcado por protestos da torcida.

Então assistente, o interino dirigiu o Vasco nos empates com Vila Nova e Remo. Fábio tem tido a missão também de tentar explicar o que deu de errado no time na temporada de 2021. Ele explicou por que a base não foi mais utilizada pelos técnicos anteriores.

MT Vasco MT foi um jovem que o Vasco lançou na temporada | Foto: Rafael Ribeiro / Vasco / Divulgação

– A conversa sempre acontece. A comissão técnica é muito bem integrada. Existe uma semana de treinamento e cada treinador tem seu modelo de jogo e a característica de que gostam do jogador. Então, eles sabem o cenário e o que têm na mão. Escolheram jogadores que, no momento, estavam aptos a vestir a camisa do Vasco. Foi um ano irregular e era muito difícil fazer uma aposta em um jogador ou outro. Foi complicado, pela nossa instabilidade – analisou Fábio Cortez.

Relacionadas

Publicidade

O técnico interino evita dar pitaco no planejamento do clube para 2022.

– Precisamos terminar o ano. Vai vir um novo diretor executivo e um novo treinador. Não cabe a mim. Sou funcionário do clube, a minha função é dar o treino e escolher os 11 indicados para o jogo – declarou o técnico.

MAIS! Leandro Castán fica com clima insustentável no Vasco

Publicidade

Com Fábio Cortez, o Vasco vai terminar a Série B no domingo. O Gigante da Colina enfrenta o Londrina, às 16h (horário de Brasília), no Estádio do Café.

Comentários