Publicidade

A iniciativa de criar uma Sociedade Anônima do Futebol (SAF) está agitando o Vasco. O Gigante da Colina pretende abraçar o modelo de clube-empresa como forma de recuperar a saúde financeira do futebol.

Mergulhado em dívidas e sem capacidade de investir, o Vasco amargará pela primeira vez em sua história dois anos seguidos na segunda divisão.

Vasco Jorge Salgado e diretoria apostam no projeto de clube-empresa (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Em participação em live do Canal Atenção Vascaínos, o segundo VP geral do Vasco, Roberto Duque Estrada, tentou explicar a proposta que está tramitando no Conselho Deliberativo.

Relacionadas

Ricardo Gomes

Publicidade

– A era do amadorismo acabou e a gente tem que botar isso na cabeça. Se o Brasil quer ter um futebol de elite, competitivo, com uma presença mundial, como tivemos no passado, temos que vislumbrá-lo como um negócio e não com amadorismo – afirmou Duque Estrada.

O modelo do Vasco

Segundo o advogado tributarista, a opção do Vasco é pelo modelo conhecido como “Drop Down”, no qual o clube fará uma subscrição de aumento de capital em bens. O clube não vai colocar dinheiro para formar a empresa, mas ela vai receber ativos relacionados com o futebol.

MAIS! Ernando é mais um jogador a se despedir do Vasco

Publicidade

– Na nossa proposta, esses ativos não incluem bens do ativo imobiliário do Vasco, como o estádio de São Januário, isso continua com o clube. O que vai pra SAF são direitos relativos à exploração da atividade do futebol, como atletas, contratos, etc. – disse o dirigente.

– Em resumo, pretende-se fazer uma empresa que vai ser 100% do Vasco, e que vai desenvolver a atividade do futebol. Vamos isolar a atividade do futebol nessa empresa e, para isso, a gente vai transferir para essa empresa os ativos relativos ao futebol – completou.

Ao ficar isolada do clube, esta SAF aumentaria sua capacidade de captação de recursos, inclusive com a emissão de debêntures para os torcedores. Foi desta forma que o Vasco conseguiu construir o seu estádio no início do século passado.

Publicidade

O caminho para a aprovação da SAF ainda é longo, mas vem encontrando boa aceitação junto aos torcedores. A oposição, entretanto, não gostou da ideia.

Comentários