Publicidade

Foi uma festa para todos os vascaínos. E nunca é tarde para comemorar. Já se passaram 23 anos do maior título da história do Vasco da Gama, a Taça Libertadores de 1998. No dia 26 de agosto daquele ano, o Cruzmaltino venceu o Barcelona de Guayaquil por 2 a 1 e levantou a taça pela primeira e única vez.

Foi uma época de grandes glórias para a equipe de São Januário, que chegou ao torneio após se sagrar campeã brasileira de 1997.

Antônio Lopes viveu um grande momento no Vasco (Foto: Instagram)

Comandante vascaíno na campanha de 98, o técnico Antônio Lopes relembrou a conquista, em participação no canal Fanáticos Vascaínos.

Publicidade

– Foi uma competição muito difícil. Desclassificamos vários clubes do cenário brasileiro, clubes grandes como o Cruzeiro, o próprio Grêmio. Depois conseguimos desclassificar também o River Plate, que era um papão de títulos – ressaltou o professor Lopes.

– A vitória sobre o River nos proporcionou que enfrentássemos na final o Barcelona de Guayaquil. Foi um jogo muito difícil contra um time “copeiro”, que está acostumado a participar dessas competições. Mas conseguimos também, ganhamos no Rio de Janeiro e também em Guayaquil – disse o ex-treinador.

Donizete foi eleito o melhor da América

Donizete foi muito importante na conquista vascaína. Assim ganhou prêmio (Foto: Conmebol)

Contratado naquele ano para substituir o ídolo Edmundo, Donizete, o “pantera”, foi escolhido como o melhor jogador da Libertadores.

Publicidade

– Eu acho que todos os vascaínos têm que comemorar bastante, porque não foi fácil. Foi muito difícil, com jogos super difíceis que nós encontramos na nossa caminhada da Libertadores, mas conseguimos superar. O início foi complicado, o time não se encontrava, eu mesmo não me encontrei no esquema tático do Lopes. Depois o Lopes conversou comigo, me ajeitou e eu consegui me superar. Fui o melhor jogador daquela competição naquele ano, então pra mim é um orgulho muito grande e eu sou muito grato ao Vasco – afirmou Donizete ao Fanáticos Vascaínos.

MAIS! Vasco sofre mais um baque na Justiça

Na grande final no Equador, o Vasco entrou em campo com Carlos Germano no gol, Vágner, Odvan, Mauro Galvão (capitão), Luisinho e Felipe; Nasa, Juninho e Pedrinho, Luizão e Donizete. Também participaram da final entrando no segundo tempo o meia Ramon Menezes e os zagueiros Alex e Vítor. Assim esses heróis escreveram uma bela história no Vasco.

Comentários