Publicidade

Os rumores de que o São Paulo tem interesse na contratação do atacante Germán Cano agitaram os bastidores do Vasco nos últimos dias. Embora Jose Constanzo, seu empresário, afirme que o centroavante seguirá no clube, seu futuro depende do desempenho na temporada.

O jogador argentino tem contrato até o fim de 2021 e em breve poderá assinar pré-contrato com qualquer outra equipe, mas já indicou seu desejo de permanecer. O Vasco, contudo, age com cautela, pois a realidade financeira da segunda divisão é outra e Cano tem um dos maiores salários do elenco.

Germán Cano (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Em contato com o jornalista Fábio Torres, do site Vascaíno.net, o empresário do jogador foi taxativo.

Publicidade

– Ele fica no Vasco – afirmou.

Vasco pode não renovar sem receita da Série A

As partes estão conversando sobre a prorrogação do vínculo, mas o Vasco não tem pressa. A diretoria acompanha o desempenho do time na Série B e aguarda um sinal claro de que o acesso à primeira divisão é provável.

– A gente precisa esperar, especialmente no caso dos que ganham mais, como é o Cano, um direcionamento nosso na Série B. Tudo depende do nosso ano que vem – disse o diretor executivo Alexandre Pássaro, em coletiva no final de abril.

Publicidade

– É claro que a gente não cogita a hipótese de não subir. Mas vamos ter de trabalhar muito, ter aproveitamento bom desde o começo. Toda a nossa receita e o nosso planejamento para o ano que vem, dependem deste ano – completou.

Relacionadas

Cano Vasco

Voltar à Série A é, portanto, fundamental para o Vasco assumir compromissos financeiros mais elevados.

– A gente não pode comprometer a parte financeira renovando o contrato do Cano sem ter a garantia de receita. A principal vem da Série A – finalizou Pássaro.

Publicidade

A estreia do Vasco na Série B no último sábado foi um sinal de alerta de que terminar a competição no G-4 não será tarefa fácil. Jogando em casa, o Cruzmaltino perdeu por 2 a 0 para o Operário-PR. Neste domingo, a equipe tentará a recuperação diante da Ponte Preta, em Campinas.

Comentários