Publicidade

O austríaco Niki Lauda criticou a medida adotada pelos novos donos da categoria (F1.com)

Na Fórmula 1 só se fala da decisão de banir as “grid girls”. São as modelos que acompanham pilotos nas corridas, agora suspensas pela empresa norte-americana Liberty Media (dona dos direitos da categoria desde o ano passado). Isso não repercutiu bem no mundo do automobilismo. Afinal, era uma tradição.

A mudança teve efeito contrário ao esperado. Diversas modelos famosas externaram sua insatisfação e tiveram o apoio de figuras extremamente ligadas à categoria. Como o tricampeão mundial Niki Lauda, ex-piloto e atualmente diretor da equipe Mercedes.

Publicidade

“Não considerei uma medida válida. Daqui a pouco vão querer acabar com as “cheerleaders” (líderes de torcida) nos Estados Unidos”, criticou o austríaco.

Proibir 'grid girls por quê? Quem é que não gosta de um sorriso? (Fia) Proibir ‘grid girls’ por quê? Quem é que não gosta de um sorriso? (Fia)

Valendo logo de cara

A medida, que servirá para todos os eventos ligados aos Grandes Prêmios, passa a valer já no GP da Austrália, o primeiro de 2018. A empresa alegou que, apesar de sido uma tradição na F1 por décadas, a prática não faz parte dos valores da marca, além de ser questionável com as normas sociais modernas.

Leia mais:

Publicidade

Neymar tem razão: apanha mais na França do que na Espanha
Mercado de inverno movimenta R$ 3,5 bilhões: Barcelona é o campeão
Aubameyang troca o Borussia Dortmund pelo Arsenal
Rennes usa mesma moeda para responder provocação de Neymar
Barcelona aumenta oferta e se aproxima de acordo com Grêmio por Arthur
Manchester City chega à casa de R$ 1 bilhão em reforços para defesa