Publicidade

O dia 23 de dezembro de 2011 mudou o curso da história e se tornou uma data especial para o Atlético de Madrid. Naquela ocasião, o clube espanhol anunciou Diego Simeone como técnico. O argentino completou dez anos à frente do Atlético. O MQJ Memória pega carona para relembrar a trajetória dele à frente do time e também como jogador.

A ligação de Simeone com o Atlético de Madrid era antiga. Como volante, ele foi peça importante do time na década de 90. A primeira passagem dele foi de 1994 a 1997, com destaque para o título do Campeonato Espanhol de 1995/1996.

Galeria de Fotos

Na campanha campeã, Simeone disputou 37 jogos e fez 12 gols. Molina, Pantic, Penev e Kiko foram outros destaques do time. Naquela ocasião, o Atlético de Madrid encerrou um jejum de 18 anos sem ganhar o Campeonato Espanhol. Depois, Simeone foi o responsável por tirar o Atlético novamente da fila, como técnico.

Relacionadas

Barcelona Bayern de Munique Champions League

Publicidade

Antes, ele teve mais uma passagem como jogador pelo Atlético de Madrid. Após sair em 1997, Simeone voltou ao clube para temporada 2003/2004. Ele iniciou a temporada seguinte, mas se despediu, em dezembro de 2004, rumo ao Racing. O retorno como técnico seria triunfal.

Simeone A despedida de Simeone, em 2004 | Foto: Denis Doyle/Getty Images

MQJ Memória relembra trajetória de Simeone

Em 2011, o Atlético de Madrid decidiu apostar em um nome identificado com o clube. Acertou em cheio. Simeone já havia treinado Racing, Estudiantes, River Plate, San Lorenzo e o Catania, da Itália.

MQJ Memória: Relembre craques colombianos que jogaram no Brasil

Publicidade

Simeone mudou a mentalidade do Atlético de Madrid e se tornou um dos maiores técnicos da história do clube. Até aqui, são 551 jogos à frente do time, com 326 vitórias, 130 empates e 96 derrotas.

MQJ Memória: De Afonsinho a Sócrates… relembre médicos que marcaram o futebol

O Atlético de Madrid de Simeone conquistou oito títulos: dois Campeonatos Espanhóis, duas Ligas Europa, duas Supercopas da Europa, uma Copa do Rei e uma Supercopa da Espanha.

Publicidade

MQJ Memória: Dignos de Messi e Mbappé… Traumas marcaram saída de ídolos de clubes brasileiros

O primeiro título de Simeone à frente do Atlético foi a Liga Europa de 2011/2012. Naquela ocasião, o time venceu o Athletic de Bilbao na final por 3 a 0, com dois gols de Radamel Falcao e um do brasileiro Diego.

Simeone e Radamel A festa de Simeone e Radamel | Foto: Michael Regan/Getty Images

Simeone tirou o Atlético da fila na La Liga. Depois daquele título espanhol como jogador, o argentino acabou com um jejum de 17 anos, ao levar o clube à glória em 2013/2014. Na ocasião, ele interrompeu o domínio de Real Madrid e Barcelona, que se revezam no topo.

Frustrações de Simeone

Publicidade

O elenco daquele Atlético de Madrid contava com nomes como Courtois, Filipe Luís, Godín, Miranda, Tiago, Gabi, Koke, Arda Turan, Diego, Diego Costa e David Villa. Este grupo também viveu uma dura derrota.

Além do título da La Liga e da Copa do Rei, o Atlético de Madrid chegou à final da Champions League. Na decisão, o rival Real Madrid. A derrota foi dolorosa. O Atlético saiu na frente, com Godín. Entretanto, nos acréscimos, Sergio Ramos deixou tudo igual. O Atlético de Madrid tombou na prorrogação e perdeu por 4 a 1.

Simeone A tristeza de Simeone em 2014 | Foto: Laurence Griffiths/Getty Images

Simeone e o Atlético de Madrid amargaram outra frustração diante do rival. Na final da Champions League de 2016, após empate por 1 a 1 no tempo normal, o Atlético perdeu o título para o Real Madrid nos pênaltis.

Publicidade

Com Simeone, o Atlético de Madrid consegue dar a volta por cima. O time é o atual campeão espanhol. Na temporada passada, apesar de momentos turbulentos, a equipe mostrou poder de decisão para conquistar La Liga de novo.

Suárez Atlético de Madrid Suárez foi decisivo para o título do Atlético de Madrid | Foto: Imago Images

Pelo passado como jogador e pelo sucesso como técnico, Simeone tem status de lenda do Atlético de Madrid. O contrato até 2024 indica que ainda tem mais história para ser escrita.

Comentários