Publicidade

O Flamengo disputa a Libertadores pela 14ª vez na história. Nesta quarta-feira, contra o Independiente Santa Fe, no Maracanã, o Rubro-Negro será comandado por Maurício Barbieri. Ele será o 17º técnico do Fla no torneio. Ou seja, trocar de treinador no decorrer da Libertadores não é novidade no clube. Curiosamente, Barbieri ocupa o posto – ainda de forma interina – no lugar do técnico com mais jogos pelo clube na competição: Paulo César Carpegiani.

Barbieri comanda o Flamengo contra o Santa Fe | Foto: Staff Images / Flamengo / Divulgação

Coincidentemente, Carpegiani também iniciou sua trajetória pelo Flamengo com a Libertadores já em andamento. Em 1981, ano da conquista rubro-negra, ele substituiu Dino Sani, que comandou o Fla nos dois primeiros jogos.

Leia também:

Publicidade

Elenco do Flamengo vale quase quatro vezes mais do que o do Santa Fe
Campeonato Brasileiro e os sinais de falência do futebol carioca
Começou bem? Veja média de gols da 1ª rodada do Brasileirão da era pontos corridos
Quais foram os campeões brasileiros em anos de Copa do Mundo
7 a 1 de novo? Relembre outras vezes que o placar apareceu
Buffon não é o único: craques que não conquistaram a Champions League

Ao todo, Carpegiani dirigiu o Flamengo em 19 jogos pelo torneio (dez vitórias, seis empates e três derrotas). Este ano, foi o comandante no empate com River Plate e no triunfo sobre o Emelec. A eliminação para o Botafogo no Carioca representou o fim da linha para ele.

Troca de técnicos do Flamengo na Libertadores

No século XXI, é a oitava participação do Flamengo em Libertadores. É a quarta oportunidade em que o clube troca de técnico no decorrer do torneio. Em 2002, João Carlos comandou o Fla nos cinco primeiros jogos. Coube a Carlos César disputar o sexto (o time foi eliminado na fase de grupos). Oito ano depois, Rogério Lourenço substituiu Andrade – o Rubro-Negro caiu nas quartas de final diante da Universidad de Chile.

Publicidade

Em 2012, Vanderlei Luxemburgo comandou o Flamengo na fase preliminar da Libertadores, em que o time superou o Real Potosí, da Bolívia, e se garantiu na fase de grupos, que teve Joel Santana à frente do Rubro-Negro.

Em 2007 (Ney Franco), 2008 (Joel Santana), 2014 (Jayme de Almeida) e 2017 (Zé Ricardo), o Flamengo começou e terminou a Libertadores com o mesmo técnico, assim como em 1991 (Vanderlei Luxemburgo) e em 1982 (Paulo césar Carpegiani).

O Flamengo, em 1983, teve três técnicos na Libertadores: Carpegiani, Carlinhos e Carlos Alberto Torres.

Os técnicos do Flamengo em Libertadores

Publicidade

1º – Paulo César Carpegiani – 19 jogos
2º – Joel Santana – 14 jogos
3º – Vanderlei Luxemburgo – 12 jogos
4º – Ney Franco – 8 jogos
5º – Carlinhos, Jair Pereira, Cláudio Garcia, Andrade, Jayme de Almeida e Zé Ricardo – 6 jogos
6º – Zagallo e João Carlos – 5 jogos
7º – Rogério Lourenço – 4 jogos
8º – Carlos Alberto Torres – 3 jogos
9º – Dino Sani – 2 jogos
10º – Carlos César – 1 jogo

Os técnicos do Flamengo em cada edição da Libertadores

2018 – Paulo César Carpegiani e Maurício Barbieri
2017 – Zé Ricardo
2014 – Jayme de Almeida
2012 – Vanderlei Luxemburgo e Joel Santana
2010 – Andrade e Rogério Lourenço
2008 – Joel Santana
2007 – Ney Franco
2002 – João Carlos e Carlos César
1993 – Carlinhos e Jair Pereira
1991 – Vanderlei Luxemburgo
1984 – Cláudio Garcia e Zagallo
1983 – Paulo César Carpegiani, Carlinhos e Carlos Alberto Torres
1982 – Paulo César Carpegiani
1981 – Dino Sani e Paulo César Carpegiani