Publicidade

Xavi Hernández chegou ao Barcelona, considerando a carreira como técnico, com um ‘currículo’ impressionante. Nos dois anos e meio em que comandou o Al Sadd, ele transformou o time do Catar em uma máquina. Ele conquistou a QSL, a competição nacional mais importante, sem perder uma partida no ano passado. Uma seqüência que continuou nesta temporada, na qual somou oito vitórias e um empate em nove jogos.

Xavi Barcelona Xavi está em casa: conhece o Barcelona muito bem | Foto: David Ramos/Getty Images

Leia também

PSG quer mais uma joia do Barcelona

Foi um até logo? Barcelona não descarta retorno de Messi

Publicidade

Barcelona vai ao ataque por sensação da Champions League

Seu monopólio do futebol do Catar era tão inegável que ele estava invicto há mais de 600 dias. A última derrota de Xavi no QSL data de 7 de março de 2020, quando perdeu por 1 a 0 para o Al Rayyan.

Na verdade, Xavi se despediu do Al Sadd mantendo uma seqüência de 36 jogos seguidos sem perder no Catar. Isso após empatar (3-3) contra o segundo classificado, Al Duhail, deixando o time líder, com três pontos de vantagem.

Baixa na Champions League da Ásia

Publicidade

Para ver o último jogo que Xavi perdeu como treinador, é preciso voltar à Liga dos Campeões da Ásia. Exatamente a 29 de abril deste ano, quando o Al Sadd perdeu (1-2) para o Al Nassr, dos Emirados, em jogo na Arábia Saudita. Por sinal, nessa partida o árbitro foi acusado de ‘inventar’ um impedimento quando o coreano Tae-Hee, do time comandado por Xavi, ficou sozinho diante do goleiro adversário. Eram os 88 minutos e um gol do Al Sadd os teria classificado como segundo colocado na competição, garantindo passagem para a próxima fase. Não deu.

Xavi ficaria no Catar até 2023, mas o Barcelona falou mais alto (Foto: Al Sadd)

Tal flagrante erro do árbitro sírio causou uma onda de indignação na bancada do Al Sadd, principalmente após a confirmação das imagens da televisão de que estava em situação legal, mas sem poder recorrer ao VAR, que não havia na competição. Xavi, vendo uma injustiça tão óbvia na ocasião, protestou tanto que acabou expulso de campo.

Xavi ainda não se esqueceu daquele jogo e, quando eles o lembram, ainda fica carrancudo com o ‘roubo’ que experimentou ao vivo, isso 205 dias depois daquela noite fatídica. Agora ele enfrenta o desafio de continuar esta série impressionante de partidas invicto. Em outra cidade e em outro vestiário, mas com o mesmo objetivo: ser um time vencedor.

Comentários