Publicidade

Eto´o quer jogar no futebol brasileiro. Novo mico? (Divulgação Barcelona) Eto´o quer jogar no futebol brasileiro. Novo mico? (Divulgação Barcelona)

O atacante camaronês Samuel Eto’o parece disposto a jogar no futebol brasileiro. O Vasco, inclusive, estaria interessado em contar com o atleta. Tanto que Júlio Brant, que luta na Justiça para assumir a presidência do clube, vem mantendo contatos com representantes do atleta. O Brasil foi tratado como o destino de alguns jopgadores de nome do futebol europeu. Em alguns casos a especulação se tornou um sucesso, como a passagem do meia holandês Seedorf pelo Botafogo. Em outros o fiasco foi histórico. O MQJ decidiu recordar alguns desses casos.

Clarence Seedorf, por exemplo, foi contratado pelo Botafogo em 2012 em uma negociação que chegou a ser tratada como impossível pela imprensa européia. O então presidente do clube carioca Maurício Assumpção tratou do caso. O jogador permaneceu no clube até janeiro de 2014, conquistando o título carioca de 2013 e exibindo um excelente nível.

Publicidade

Mas nem sempre o sucesso prevaleceu em negociações. Um mico histórico aconteceu em 1999 e foi protagonizado por Francisco Horta, na época vice-presidente de futebol do Fluminense. O dirigente anunciou o acerto com o volante italiano Nicola Berti e marcou inclusive data para apresentação no aeroporto. Porém, o dirigente ficou esperando à toa e o atleta, no mesmo período, estava assinando com o Alavés da Espanha.

– Uma pena que ele tenha decidido ir para o Bonsucesso da Espanha – ironizou na época Horta, que teria confiado na palavra do dirigente.

Berti optou pelo Alavés, segundo Horta, o Bonsucesso da Espanha (Divulgação) Berti optou pelo Alavés, segundo Horta, o Bonsucesso da Espanha (Divulgação)

O Fluminense, por sinal, é rico nesses fiascos. Naquele mesmo ano trouxe ao Brasil o goleiro belga Michel Preud’homme. Hospedado em um hotel de luxo e dando entrevistas com um português fluente, já que defendeu o Benfica, ele acabou retornando a Portugal sem sequer vestir a camisa do Tricolor.

Publicidade

Dois anos antes o Fluminense já tinha confirmado a contratação do meia Guti, então uma promessa do futebol do Real Madrid. O clube espanhol, porém, negou que tivesse aberto negociação.

Leia também:

Antes Rei do Mercado, Real Madrid agora é lanterna entre os grandes
Veteranos famosos e times pequenos: a rotina dos Estaduais
Relembre momentos da primeira passagem de Vagner Love pelo Flamengo
Abidal e o câncer: ‘Messi pediu para não enviar vídeos’
As metas para Philippe Coutinho engordar a conta do Liverpool
Torcida do San Lorenzo faz plágio de Nego do Borel e Anitta

Publicidade

A Portuguesa de Desportos também teve seu insucesso, só que em 1998, quando sonhou em tirar o atacante português Paulo Futre do Atlético de Madrid. A transação aconteceria com o apoio financeiro da Federação Paulista de Futebol. Porém, a entidade preferiu investir em Evair.

Vieri deu bolo em dois clubes

Mas nem sempre os clubes são os responsáveis pelo papelão. Muitas vezes os atletas não honram seus compromissos. E foi o que aconteceu com o atacante italiano Christian Vieri. O jogador foi anunciado pelo Botafogo de Ribeirão Preto em 2009. Mesmo depois de anunciado, ele nunca apareceu e os dirigentes paulistas chegaram a mostrar documentos confirmando que havia o acerto.

Vieri deu bolo em dois clubes brasileiros (Divulgação) Vieri deu bolo em dois clubes brasileiros (Divulgação)

Dois anos depois, em 2011, Vieri apareceu em outro clube do Brasil. O Boavista de Saquarema, Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Acertou contrato, fez exames médicos, treinou e falou com a imprensa. Mas desistiu de tudo, arrumou as malas e foi embora sem sequer entrar em campo.

Publicidade

E com Eto´o o que o destino reserva?