Publicidade

O PSG ganhou a batalha com o Real Madrid e assegurou a permanência de Kylian Mbappé. A imprensa europeia tratou a situação como uma reviravolta, porque o clube merengue era apontado como o favorito na corrida pelo craque.

Presidente do PSG, Nasser al Khelaifi, em entrevista ao “Le Parisien”, abordou a renovação de Mbappé. Segundo ele, o fator dinheiro não foi fundamental para a permanência de Mbappé. Ele diz que o Real Madrid ofereceu mais ao astro francês.

Mbappé PSG Mbappé renovou com PSG até 2025 | Foto: PSG / Divulgação

– Não gosto de falar sobre mim, mas durante os últimos cinco anos estabeleci uma relação especial com Kylian e a família dele. Ele tem uma família incrível. Nunca esquecerei que durante os nossos seis primeiros encontros com ele e os pais dele, que naquele momento estavam em Monaco, nunca falaram sobre dinheiro. Nunca. Por isso eu gosto tanto deles, admiro a educação que ele recebeu – declarou Nasser al Khelaifi.

Relacionadas

Milan Skriniar
Cristiano Ronaldo Manchester United
Lewandowski

Publicidade

– Este ano, falou-se muito, mas a questão de dinheiro não chegou até as últimas semanas. As pessoas dizem que ele ficou por dinheiro, mas o Real Madrid ofereceu a ele muito mais do que nós oferecemos. No verão passado, estavam dispostos a oferecer 170 milhões de euros (R$ 924,8 milhões). Este valor que estavam dispostos a reinvestir este ano quando estivesse livre – completou o dirigente.

Manchester City ‘apela’ contra o Barcelona por Bernardo Silva

PSG nega ‘superpoderes’ de Mbappé

Nasser al Khelaifi negou que Mbappé, agora, vai ter o poder de pedir jogador ou técnico ao PSG.

Publicidade

– Precisa parar de dizer isso. Vou ser muito claro: eu sou o presidente e eu decido. E Kylian, sobretudo, nunca perguntou nada sobre jogador ou treinador – acrescentou.

Liverpool vive drama sobre futuro da camisa 10

Embora tenha defendido a versão de que o dinheiro não foi fundamental para a permanência de Mbappé, a imprensa francesa aponta que o PSG “quebrou a banca” pelo astro. O craque pode ganhar, entre luvas e salários, 600 milhões de euros (R$ 3,2 bilhões) em três anos de contrato.

Comentários