Publicidade

Paulinho e Philippe Coutinho se valorizaram na Seleção (Reprodução Youtube) Paulinho e Philippe Coutinho se valorizaram na Seleção (Reprodução Youtube)

O chamado ‘Efeito valorização’ da Seleção Brasileira teve mais um capítulo com a negociação do meia Philippe Coutinho com o Barcelona na segunda maior transação do futebol mundial. Isso porque, nos últimos anos, os jogadores que estão se destacando com a camisa amarelinha têm conseguido transações muito acima do esperado no mercado do futebol. E olha que a análise não leva em consideração Neymar, único a movimentar mais dinheiro do que Coutinho até o momento com a sua saída do Barcelona rumo ao Paris Saint-Germain. Parte do dinheiro, inclusive, foi utilizado para tirar Philippe do Liverpool.

Philippe Coutinho vinha sendo tratado na Europa como um jogador promissor desde que chegou ao Liverpool. Mas apenas as boas atuações pelo clube britânico não foram suficientes. Dirigentes do Barcelona reconheceram que levaram em consideração a maturidade exibida pelo apoiador quando joga com a camisa da Seleção Brasileira.

Publicidade

Leia também

Zagueiro do Grêmio comete gafe logo na apresentação
Por que Neymar é sucessor legítimo de Ronaldinho Gaúcho na Europa
Confira o que a dupla Coutinho-Suárez aprontava no Liverpool
Philippe Coutinho amplia tradição brasileira no Barcelona
Philippe Coutinho é o segundo jogador mais caro da história: veja o Top 10
Independência da Catalunha pode tirar Messi do Barcelona de graça

Outro jogador que se aproveitou do sucesso da Seleção Brasileira para conseguir uma mega valorização foi o volante Paulinho. O jogador, que estava esquecido no futebol chinês passou a ser observado pelo mesmo Barcelona por conta de suas grandes atuações no time de Tite. Hoje o atleta, que ganhou notoriedade pelo Corinthians e já defendeu o Tottenham, é uma das peças mais importantes do líder do Campeonato Espanhol.

Valorização é anterior a Tite

Publicidade

A boa fase do Brasil sob o comando de Tite pesa neste processo. Porém, a valorização da Seleção Brasileira não pode ser considerado um fenômeno do treinador que fez história no Corinthians. Antes mesmo de sua chegada o peso da camisa amarelinha vinha ditando o ritmo de algumas negociações no Velho Continente. Que o diga o goleiro Alisson, que se tornou titular do Brasil pelas mãos de Dunga.

Alisson estava no Internacional quando barrou Jéfferson na Seleção Brasileira. Poucas semanas depois o arqueiro assinava um importante contrato para defender a Roma, onde é titular a maior parte dos jogos.

Alisson foi negociado pouco depois de virar titular da Seleção Brasileira (Divulgação) Alisson foi negociado pouco depois de virar titular da Seleção Brasileira (Divulgação)

Outro que foi valorizado por Dunga foi Gabriel Jesus. O atacante do Palmeiras deixou de disputar a Copa América Centenária de 2016 por conta de problemas com a sua documentação. Antes, já vinha sendo relacionado para o time olímpico, o que despertou o interesse do Manchester City.

Publicidade

Até mesmo as categorias de base a Seleção Brasileira têm rendido grandes contratações. O Real Madrid aceitou pagar mais de 40 milhões de euros ao Flamengo para tirar Vinícius Junior do Ninho do Urubu depois de o atleta ter brilhado no Sul-Americano Sub-17 do ano passado. Como se pode ver, vestir a camisa amarelinha tem sido um grande negócio?