Publicidade

Impulsionados pela recém-anunciada aposentadoria de Ronaldinho Gaúcho, o diário espanhol “Marca” criou uma enquete brasileira. O veículo quer saber “quem é o melhor jogador de futebol brasileiro de todos os tempos”. Uma boa oportunidade para entender como veem nosso futebol lá fora.

As opções são Garrincha, Pelé, Rivaldo, Romário, Djalminha, Ronaldo (Fenômeno), Ronaldinho e, certamente, Neymar.

Pesquisa não esqueceu ídolos brasileiros do passado, como Pelé e Garrincha (Reprodução) Pesquisa não esqueceu ídolos brasileiros do passado, como Pelé e Garrincha (Reprodução)

A posição de Neymar na pesquisa não deixa de ser uma surpresa. O craque do Paris Saint-Germain aparece em último lugar, com apenas 2% da preferência, empatando com Rivaldo. Seria o caso de um rancor, movido pela decisão de trocar o gramado espanhol pelo francês? Afinal, bem sabemos como o futebol é movido por paixão.

Publicidade

Leia também
Com média melhor que Messi, Suárez entra em lista especial do Barcelona
Por que o futuro de Neymar está longe do Real Madrid
Manchester United fecha as portas para Cristiano Ronaldo
Trio do PSG deixa no chinelo o tridente do Real Madrid: duelo vem aí
Neymar marca quatro gols num jogo pela quinta vez na carreira

Seria também o caso de se pensar na postura de Neymar, na personalidade do jogador. Ronaldinho Gaúcho lidera a pesquisa, com 37% da preferência. Se ambos têm em comum o talento com a bola, há uma diferença abissal entre os dois no comportamento pessoal.

A relação de Ronaldinho com o torcedor, por onde quer que tenha passado – à exceção do Grêmio – é de amor. Mesmo no Flamengo, de onde saiu em litígio, é assim. Neymar, por sua vez, é vaiado pela torcida do Paris Saint-Germain, seu atual clube. Ao que parece, levando em conta a questão da cobrança de pênalti, por uma questão de falta de humildade.

Amor e ódio

Publicidade

A diferença entre Ronaldinho e Neymar parece vir à tona. Enquanto o primeiro é “jogador do povo”, com suas farras, seus “dibres” e molecagens, o segundo está mais para odeie ou ame: este sou eu! O certo é que, se considerarmos apenas o talento, não há o que reclamar dos dois.