Publicidade

No dia dos pais o MQJ Memória recorda pais e filhos que brilharam no futebol. A lista é grande. Tem, por exemplo, o maior jogador de futebol de todos os tempos. Pelé viu o filho Edinho seguir seus passos. Logicamente sem o mesmo brilho e como goleiro. Mas chegou a ser vice-campeão brasileiro pelo Santos.

Bebeto descreveu o sentimento pai e filho no futebol (Foto: Fifa)

Ademir da Guia e Domingos da Guia e Djalma Santos e Djalminha são casos em que fica difícil de dizer quem jogou mais: pai ou filho.

Leia também:

Publicidade

MQJ Memória: Vivinho, o gol de placa de São Januário
MQJ Memória: Zé Carlos, o Grandão do gol do Flamengo

Pelo mundo também existem exemplos de grande categoria. A dupla Verón brilhou pelo Estudiantes na Argentina, enquanto as famílias Kluivert e Cruijff são reverenciadas na Holanda pelos bons serviços prestados dentro de campo. Veja vários casos de pais e filhos que brilharam no futebol.

Pais e filhos que brilharam no futebol

Domingos da Guia e Ademir da Guia

Domingos e Ademir da Guia: talento em campo (Foto: do Brasil acervo)

Dificilmente pai e filho têm o mesmo talento. Mas Domingos da Guia e seu filho, Ademir da Guia, são uma raridade. Cria do Bangu, onde iniciou carreira em 1929, Domingos da Guia era apelidado de Divino Mestre pela classe que exibia em campo mesmo como zagueiro. Cria do Bangu, passou por Vasco e Flamengo, sendo inclusive campeão no Uruguai pelo Nacional e na Argentina pelo Boca Juniors. Mas quem pensava que a cota de craques da fasmília tinha acabado se enganou. Isso porque em 1952 Ademir da Guia, o Divino, surgiu no meio-de-campo do Céres, do bairro de Bangu, no Rio de Janeiro.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Polêmica no Carioca faz o futebol relembrar Eduardo Viana, o Caixa D´água
MQJ Memória: Campeão mundial pelo Flamengo, Figueiredo morreu no auge da carreira 

Ademir da Guia virou profissional em 1960, no Bangu, mas fez história no Palmeiras. Ele defendeu o Verdão por 15 anos e é um dos maiores ídolos da história do clube. Fez parte do famoso time da Academia. Mas é difícil dizer quem jogou mais: pai ou filho?

Djalma Dias e Djalminha

Djalminha no La Coruña - Getty Djalminha tinha um pai que era o máximo (Foto: Uefa)

Publicidade

Defensor renomado nas décadas de 60 e 70, Djalma Dias jamais imaginaria que seu filho seria outra craque de bola. Djalminha brilhou com as camisas de Flamengo, Palmeiras e La Coruña. Ambos defenderam a Seleção Brasileira.

Cláudio Adão e Felipe Adão

Felipe Adão e Cláudio Adão: cheiro de gol (Foto: Reprodução Youtube)

Cláudio Adão era uma espécie de cigano da bola, Brilhou nas décadas de 70 e 80, mas seu futebol era tão bom que ele ainda atuou profissionalmente até meados da década de 90. Artilheiro nato, foi destaque por onde passou. Anos depois, já nos anos 2000, seu filho, Felipe Adão, foi campeão carioca pelo Botafogo.

Bebeto e Mattheus

Bebeto fez história na Seleção Brasileira, mas a história fez seu filho seguir seu caminho (Foto: CBF)

Quando Bebeto fez o segundo gol da Seleção Brasileira nas quartas de final da Copa do Mundo de 1994, comemorou com o famoso gesto de “embala neném”. Era para comemorar o nascimento do filho Mattheus. O Brasil ganharia o Mundial e Bebeto seria reconhecido como um dos principais atacantes da história do futebol brasileiro. Mas ele jamais imaginaria que aquele Mattheus viraria um habilidoso meia. Com passagem pelo Flamengo, hoje ele empresta seu talento ao Sporting.

Publicidade

Leia também:

MQJ Memória: Geraldo, o craque do Flamengo marcado por uma fatalidade
MQJ Memória: Margarida, o árbitro mais alegre da história do futebol

Lela, Alecsandro e Richarlison

Alecsandro e Richarlison são filhos de Lela (Foto: Atlético-MG)

Se para um craque ter um filho jogador já é o máximo, imagina dois filhos bons de bola. Esse sentimento o famoso ponta-esquerda Lela, campeão brasileiro pelo Coritiba, sente. Isso porque duas de suas crias são craques de bola. O volante Richarlison foi destaque no São Paulo tricampeão brasileiro na década passada, enquanto que Alecsandro é artilheiro por onde passa. Coleciona grandes camisas como Vasco, Inter e Flamengo.

Mazinho, Rafinha e Thiago

Thiago Alcântara é filho do ex-lateral Mazinho (Arquivo Uefa) Thiago Alcântara é filho do ex-lateral Mazinho e irmão de Rafinha (Arquivo Uefa)

Publicidade

Assim como Lela, o ex-lateral Mazinho, tetracampeão mundial em 1994, revelou dois filhos craques de bola. Os meias Rafinha e Thiago fazem carreira na Europa. O segundo é naturalizado espanhol.

Pelé e Edinho

O Rei Pelé viu Edinho fazer carreira no Santos (Foto: Santos / Divulgação)

Pelé é o maior jogador de futebol de todos os tempos. Ser filho do homem era um fardo a se carregar no meio. O goleiro Edinho encarou a responsabilidade e foi vice-campeão brasileiro pelo Santos em 1995.

Leia também:

Publicidade

MQJ Memória: O adeus a Clébson! O substituto de Jorginho
MQJ Memória: Ézio, porque super-herói é pra isso

Patrick Kluivert e Justin Kluivert

Patrick Kluivert e Justin Kluivert a serviço do Ajax (Foto: Divulgação)

A família Kluivert cheira a gol na Holanda. Patrick Kluiert foi ídolo do Ajax e da seleção holandesa, tendo brilhado também no Barcelona. Jogou na década de 90 e nos anos 2000. Seu filho, Justin, não tem o mesmo talento, mas se destacou no próprio Ajax e agora defende a Roma.

Cesare Maldini e Paolo Maldini

Cesare e Maldini fizeram história no Milan (Foto: Divulgação)

Quem via o zagueiro e lateral-esquerdo Paolo Maldini conquistar todos os títulos possíveis pelo Milan entre 1987 e 2007 não estranhava. Afinal de contas, o DNA de craque estava presente na família. Seu pai, Cesare Maldini, também foi destaque e campeão no time rubro-negro. Cesare ganhou o título italiano e a Champions League pelo Milan nas décadas de 50 e 60. Assim ambos traçaram um lindo caminho.

Johan Cruijff e Jordi Cruijff

Cruijff, um nome que tem peso (Foto: Uefa)

Publicidade

Maior craque da história do futebol holandês, Johan Cruijff integrou o famoso Carrossel Holandês, a Laranja Mecânica da década de 70. Nos anos 2000 seu filho, sem o mesmo sucesso, rodou por grandes clubes europeus no começo desta década e nos anos 90. Defendeu, dentre outras camisas, Barcelona e Manchester United.

Leia também:

MQJ Memória: Berg, o Anjo Loiro do Botafogo
MQJ Memória: 30 anos sem João Saldanha, o João Sem Medo

Juan Ramón Verón e Juan Sebastián Verón

Verón é um exemplo de bruxas existem (Foto: Fifa)

Publicidade

La Bruja foi um dos maiores meias da história do futebol argentino e do Estudiantes, clube em que ganhou a Copa Libertadores. Juan Ramón Verón era um craque. Mas jamais sonharia que seu filho, Juan Sebastián Verón seria ídolo na Europa e na Argentina nos anos 2000. Além disso os dois são identificados com as mesmas camisas.

Richard Lampard e Frank Lampard

Lampard é identificado com o Chelsea (Foto: Premier League)

Atual técnico do Chelsea, Frank Lampard foi um dos maiores jogadores da história do clube e da seleção inglesa. Uma criatura que superou o criador. Isso porque seu pai também tinha fama no futebol inglês entre os anos 60 e 70. Richard Lampard jogou 18 temporadas no West Ham e é um dos grandes ídolos do clube. Também defendeu a seleção inglesa. Assim os dois têm bons serviços prestados ao futebol.

Leia também:

MQJ Memória: Mazolinha, o craque que virou pedreiro