Publicidade

Maradona começará em sua nova função após a Copa da Rússia. (Foto: divulgação)

Fora da Copa do Mundo da Rússia após o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) ampliar sua pena por doping para 14 meses, o peruano Paolo Gerrero segue recebendo apoio do mundo esportivo. Um dia após os capitães das seleções adversárias do Peru na primeira fase da Copa pedirem a absolvição do atacante, foi a vez do ídolo argentino Diego Maradona publicar um texto defendendo a participação de Guerrero na Copa do Mundo.

Leia também:

Publicidade

Top 10: os maiores artilheiros do Real Madrid na Champions League
Cristiano Ronaldo pode bater o próprio recorde na Champions League
Copa do Mundo: dez craques que nunca chegaram à final do torneio
Confira os memes e o humor de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro
Real Madrid tem sete ‘galácticos’ no radar, aponta jornal espanhol

O campeão mundial de 1986, porém, foi criticado por comparar a situação de Guerrero a sua suspensão durante a Copa do Mundo de 1994, quando testou positivo para cocaína.

Confira o texto de Maradona em defesa de Paolo Guerrero:

“Hoje quero estar ao lado de Paolo Guerrero em um momento tão feio pelo qual eu também passei. Tive uma doença e ninguém teve piedade de mim, pelo contrário. Mesmo hoje, com alguns sendo chamados de fenômeno, continuam lembrando de mim. Ninguém me ofereceu uma saída naquele momento e acho que isso tem que acabar. Se a nova FIFA condena aqueles jogadores que fazem as pessoas felizes, por terem cometido um erro, não deveriam tirar deles o trabalho, deveriam ajudá-los a se curar. Porque isso é uma doença. Não é questão de usar uma pomada. Não. Esta é uma doença maligna.

Publicidade

Eu deixei a droga há 14 anos. E se servir ao Guerrero, agarrar-se aos seus entes queridos pode ajudá-lo a lidar com esse momento difícil. Os médicos da FIFA estão lá para receber seus salários, para dizer se é negativo ou positivo, e nada mais. Eles não assistem a um jogo de futebol pela televisão. Acredito que a prevenção é sempre melhor que 14 meses de punição. Digo isso porque vivi está situação em minha própria carne. A mim não surpreendeu, porque naquela época havia Blatter e Grondona, dois ladrões. Mas hoje temos um presidente que saberá interpretar minhas palavras. Acredito que esse é o caminho. Desejo o melhor a Paolo, espero vê-lo jogando na Rússia e envio uma saudação a todo Peru”