Publicidade

A Seleção Brasileira vive um momento conturbado fora de campo e vai enfrentar um rival que tem se acostumado a complicar a vida do Brasil. Por vezes, causou instabilidade. O duelo com o Paraguai, nesta terça-feira, no Defensores Del Chaco, é cercado de expectativa.

Os jogadores e Tite devem se posicionar sobre a realização da Copa América no País. Com a desistência da Argentina, o Brasil surgiu como salvador e aceitou receber o torneio. O elenco ficou insatisfeito com a condução da CBF.

Tite Brasil Tite tenta blindar elenco do Brasil | Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

O Paraguai já causou turbulência no Brasil em campo. Foram duas eliminações seguidas em Copa América. Em 2011, pelas quartas de final, após empate sem gols, o jogo foi para os pênaltis. A Seleção errou as quatro cobranças, sendo que Elano e André Santos isolaram. Técnico da época, Mano Menezes sofreu críticas.

Paraguai tem complicado o Brasil

Publicidade

Em 2015, com Dunga no comando, nova eliminação nos pênaltis nas quartas de final da Copa América. No tempo normal, o Brasil saiu na frente com Robinho, mas Thiago Silva fez um pênalti bobo e o Paraguai empatou. Éverton Ribeiro e Douglas Costa desperdiçaram e a Seleção caiu mais uma vez para os paraguaios.

Brasil x Paraguai 2015 Brasil caiu em 2015 para o Paraguai | Foto: Imago Images

As duas equipes voltaram a se enfrentar nas quartas de final da Copa América de 2019 e pela terceira vez seguida a decisão foi para os pênaltis. O Brasil, desta vez, conseguiu espantar o fantasma e se classificou.

Relacionadas

Tite Seleção Brasileira

Nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, o Brasil de Dunga escapou de perder nos acréscimos. No Defensores Del Chaco, o Paraguai abriu 2 a 0, mas Ricardo Oliveira diminuiu e Daniel Alves, aos 47 da etapa final, deixou tudo igual, em 2016.

Galeria de Fotos

Publicidade

Em 2008, pelas Eliminatórias, o Paraguai venceu por 2 a 0 e um carrasco brasileiro marcou: Cabañas. Roque Santa Cruz também balançou a rede brasileira. A Seleção era comandada por Dunga.

Na Libertadores de 2008, Cabañas se transformou em algoz do Flamengo – fez dois gols no Maracanã e ajudou a eliminar o clube carioca – e do Santos – fez dois gols no Peixe.

Comentários