Publicidade

A vantagem é do Real Madrid, que venceu o jogo de ida, na Espanha, por 3 a 1. Porém, além de se apegar ao trio Mbappé, Cavani e Neymar & Cia., o PSG pode recorrer à história para se inspirar para o duelo decisivo pela Liga dos Campeões. O clube francês já se encontrou em situação igual e conseguiu eliminar o Real. Claro, com um toque brasileiro.

Valdo é inspiração para Neymar no PSG | Foto: Site PSG

Em 1993, PSG e Real Madrid se enfrentaram pelas quartas de final da Copa da Uefa. O clube espanhol também largou na frente, com vitória por 3 a 1 no jogo de ida. A história se repete na atual Liga dos Campeões. Cabe ao Paris Saint-Germain, novamente, conseguir o feito de vencer por 2 a 0 ou por três gols de diferença, como foi na ocasião. A inspiração está aí.

Leia também:

Publicidade

Real Madrid tem quatro entre os cinco maiores artilheiros da Liga dos Campeões
Rafinha ajuda a Inter de Milão a voltar aos trilhos no Campeonato Italiano
Liverpool supera ataques e trios poderosos da Liga dos Campeões
Clubes ingleses ameaçam ‘badalados’ na Liga dos Campeões
Técnico do Botafogo já defendeu as cores do Flamengo
Cristiano Ronaldo passa dos 100 gols pelo Real Madrid na Liga dos Campeões

A classificação histórica do PSG teve uma pitada do talento brasileiro. O meia Valdo fez um gol na vitória por 4 a 1. George Weah abriu o placar para o clube francês. David Ginola ampliou e Valdo fez o terceiro. Zamorano marcou para o Real Madrid, o que levaria a decisão para a prorrogação. Porém, Kombouaré surgiu para marcar o quarto gol e eliminar o Real.

PSG precisa contrariar os números

Apesar de já ter conseguido o feito, a estatística está contra o PSG. O Real Madrid costuma aproveitar a vantagem. O clube merengue se classificou em 11 das 18 eliminatórias europeias em que ganhou o jogo de ida por dois gols de diferença, um aproveitamento de 61%.

Publicidade

O percentual cai um pouco (e alimenta a esperança do PSG) quando o Real Madrid abriu uma eliminatória europeia vencendo por 3 a 1. Isso aconteceu em nove oportunidades. Em cinco, o Real se classificou (55,5%) e ficou pelo caminho quatro vezes.