Publicidade

Messi vai responder nesta sexta-feira (4) à La Liga, se fica ou deixa o Barcelona. O jogador, que teve de dar uma resposta sobre o seu futuro, prepara um comunicado, de acordo com o Ser Catalunya, diário local da Catalunha. Seus advogados estão finalizando uma resposta à declaração feita pelo Barcelona, no último domingo (30/08). O clube admite a saída de Messi, desde que receba a multa rescisória no valor de 700 milhões de euros, cerca de R$ 4,5 bilhões.

Messi define finalmente se sai ou se fica na La Liga | Foto: Twitter Barcelona / Divulgação

De acordo com a Sphera Sports, Messi já gravou o comunicado anunciando que “está hospedado” no Barcelona. Isso indica a tendência de o jogador permanecer na Catalunha até o fim da próxima temporada. Em seguida, sairia a custo zero. Entretanto, muitas coisas mudam no decorrer de um ano, sobretudo no futebol.

Retrospecto

Depois do doloroso 8 a 2 sofrido contra o Bayern, na Champions League, do abatimento e da comunicação de que não pretendia permanecer no clube, ​​o capitão do Barcelona planeja fazer um comunicado na parte da tarde desta sexta-feira. Esperava-se que anunciasse a decisão final sobre o seu futuro, mas ao que parece, será apenas para responder à declaração da organização espanhola de futebol, a La Liga.

Publicidade

A entidade escolheu lado a favor do Barcelona no caso Messi, conforme ficou claro quando o contrato entre o argentino e o Barcelona ainda estava em vigor.

“O contrato está atualmente em vigor e possui uma cláusula de rescisão aplicável, caso Lionel Andrés Messi decida impetrar a rescisão unilateral antecipada, efetuada de acordo com o artigo 16 do Real Decreto 1006/1985, de 26 de junho através do qual é regulada a relação especial de trabalho dos atletas profissionais “, afirmou a associação espanhola de futebol em nota.

Leia também

Embora admita ficar, Messi exige que o Barcelona não dispense Luis Suárez

Publicidade

Problema fora de campo retarda acerto de Suárez com a Juventus

A La Liga insistiu e sublinhou que não iria despedir Messi da federação sem que o argentino não pagasse primeiro a cláusula de rescisão de 700 milhões de euros.