Publicidade

Hugo Dinarte Santos Aveiro, irmão de Cristiano Ronaldo, comanda o merchandising do craque português. Ele é representante legal da empresa Mussara LTDA, sediada em Portugal. Mas o empresário é também alvo de uma acusação de fraude que diz respeito à venda de camisas com a marca do próprio Cristiano Ronaldo.

A batalha judicial que evoluiu para acusação criminal envolve Hugo e a empresa Pegaso, sediada em Turim. Essa empresa italiana acertou com a Pegaso uma licença para produção de camisas com a marca Cristiano Ronaldo. O negócio custou 500 mil euros –  cerca e R$ 3 milhões. A Mussara recebeu o valor e iniciou a produção .

Cristiano Ronaldo enfrenta críticas na Itália Nome de Cristiano Ronaldo envolvido em polêmica criada pelo próprio irmão – Foto: JONATHAN NACKSTRAND/AFP via Getty Images)

No entanto, entrou em cena a Juventus, por meio da Adidas, sua fornecedora oficial. As camisas são muito parecidas com a da fabricante alemã. De acordo com a Pegaso, a Mussara aprovou o produto via autorização legal. Entretanto, o irmão de Cristiano Ronaldo, representante da empresa, nega. Sem uma definição, a Pegaso interrompeu alterou a produção. A Mussara comprou 13 mil camisas confeccionadas, para minimizar o prejuízo. Cada uma saiu por 4 euros – R$ 25.

Publicidade

Mas a Pegaso descobriu que essas mesmas camisas foram para no museu de Cristiano Ronaldo, no Funchal, em Portugal. Pior: vendidas por 40 euros a unidade – em torno de R$ 250 cada. Assim, o caso ganhou outra dimensão, com Hugo Dinarte Santos Aveiro, irmão de Cristiano Ronaldo, sendo acusado de fraude. Entretanto, vale lembrar que a ação não atinge em nada o jogador da Juventus.

Leia também

Zidane coloca o Real Madrid de olho em joia húngara. Confira!

“Neymar deve saber de algo entre Messi e PSG”, diz Rivaldo