Publicidade

O roteiro de um ouro olímpico costuma ser escrito com doses de superação e de drama. E o Brasil viveu fortes emoções para ser bicampeão no futebol. Neste sábado, a Seleção Olímpica bateu a Espanha por 2 a 1, na prorrogação, após empate por 1 a 1 no tempo normal, e garantiu a medalha de ouro. O Estádio de Yokohama, palco do pentacampeonato mundial, é novamente especial para o futebol brasileiro.

O dono da história de superação é Matheus Cunha, que precisou superar uma lesão para ajudar o Brasil na final. Ele fez o primeiro gol. O drama não foi pouco. A Espanha foi superior no segundo tempo. Além de empatar, acertou duas bolas no travessão.

Brasil Olimpíada É ouro! Brasil é bicampeão olímpico | Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

O herói do ouro foi Malcom, que entrou na prorrogação. Ele marcou o gol da vitória. Após ser campeão olímpico pela primeira vez no Rio, em 2016, o Brasil escreve nova história vitoriosa.

Brasil vive drama na final olímpica

Publicidade

A Espanha contou na Olimpíada com jogadores que disputaram a Eurocopa, como Unai Simón, Eric García, Pau Torres, Pedri, Dani Olmo e Oyarzabal. Asensio, do Real Madrid, foi outro nome de peso do time espanhol.

O Brasil demorou a se encontrar. A Espanha pressionava a saída de bola e complicava a vida brasileira. Os espanhóis ainda deram um susto e tanto. Oyarzabal desviou, mas Diego Carlos cortou quase que em cima da linha.

A Seleção respondeu. O goleiro Unai Simón saiu mal. Richarlison ajeitou para Douglas Luiz. O volante finalizou e viu Simón mandar para escanteio. O jogo, então, ficou mais equilibrado, até que a Espanha se complicou. O goleiro atropelou Matheus Cunha, ao sair do gol. O VAR recomendou a revisão. Pênalti. Entretanto, Richarlison isolou.

Richarlison Brasil x Espanha Richarlison isolou pênalti | Foto: Gaspar Nóbrega / COB / Divulgação

Publicidade

O Brasil não perdoou novo vacilo espanhol. Claudinho lançou Daniel Alves. O experiente lateral-direito jogou para o meio da área. A zaga da Espanha não cortou. Matheus Cunha ficou com ela e chutou no canto: 1 a 0, aos 46 minutos do primeiro tempo.

Matheus Cunha Brasil x Espanha Matheus Cunha mostrou faro de artilheiro | Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

A Seleção quase ampliou no começo do segundo tempo. Richarlison recebeu de Antony, limpou a marcação e ficou cara a cara com Unai Simón. O goleiro conseguiu desviar o chute do atacante, que ainda tocou no travessão.

A Espanha, então, castigou o Brasil. Aos 15 minutos, após cruzamento da direita, Oyarzabal deixou tudo igual: 1 a 1. A Seleção caiu de produção e encontrava dificuldade para criar. O técnico André Jardine não fez alteração.

Publicidade

Os espanhóis assustaram. Soler cruzou da direita e quase surpreendeu Santos. A bola explodiu no travessão, aos 39. Bryan Gil também acertou o travessão, em chute da entrada da área, aos 42. O duelo foi para a prorrogação.

Malcom entra e define para o Brasil

Jardine mudou para o primeiro tempo extra. Ele colocou Malcom no lugar de Matheus Cunha. O Brasil cresceu no jogo. Unai Simón cortou cruzamento de Arana.

Reinier entrou no lugar de Claudinho no segundo tempo da prorrogação. O Brasil voltou a ficar à frente do placar. Malcom foi lançado, ganhou na velocidade e fez 2 a 1, aos dois minutos.

Malcom Brasil Malcom fez o gol da vitória | Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

Publicidade

O Brasil segurou o resultado e garantiu a medalha de ouro.

Comentários