Publicidade

Gian Piero Gasperini, técnico da Atalanta, voltou a sofrer Cristiano Ronaldo na própria carne. Após a despedida da estrela portuguesa da Juventus e consequentemente do Campeonato Italiano, alguns técnicos respiraram aliviados. Mas o pior aconteceu com Gasperini, que enfrentou o português novamente, agora pela Champions League. Assim, nesse encontro com o Manchester ?United, a impressão que fica é de que nada mudou: Cristiano Ronaldo continua a ser decisivo e um perigo para seus rivais.

Cristiano Ronaldo e Gian Piero Gasperini em conversa particular... - Foto: Reprodução Cristiano Ronaldo e Gian Piero Gasperini tiveram conversa, mas técnico deu apenas ‘uma dica’ sobre o que falaram – Foto: Reprodução

Leia também

Atual campeão, Chelsea encaminha classificação na Champions League

Novo rico, Newcastle dá sinal: ‘cheque gordo’ para contratar técnico

Publicidade

Treta! Klopp e Simeone trocam farpas antes de reencontro

O time inglês alcançou um empate vital contra a Atalanta, entretanto, graças ao seu principal jogador. Gasperini rendeu-se ao português, mas foi misterioso ao contar o que lhe disse num rápida conversa em particular.

“Ouvi um dia que Ronaldo era um problema, imagina! Raramente erra, nove em dez chutes ele acerta. Metade das vezes que consegue o chute é gol. A outra metade é o goleiro que salva”, disse.

Relacionadas

Zapata deixa Maguire para trás no lance do gol que deu a vitória à Atalanta sobre o Manchester United, em Bergamo - Foto: Emilio Andreoli/Getty Images
Pogba Manchester United
Lewandowski Bayern Benfica Champions League

Publicidade

“Eu disse algo em italiano, mas tenho que censurar aqui na entrevista. Não posso falar aqui. Basicamente, eu disse ‘vai dar uma volta’, que me deixasse em paz”, completou.

O técnico assumiu as rédeas da Atalanta em 2016. No entanto, desde 2018, com a chegada de Cristiano Ronaldo à Juventus, ele vinha sofrendo. Depois que o português saiu, tudo parecia correr bem. Entretanto, agora quis o destino que eles se cruzassem novamente na principal competição europeia. Deu no que deu.

Comentários