Publicidade

Lionel Messi se aproxima cada vez mais de dizer sim ao Barcelona como tem divulgado a imprensa espanhola. A chegada de Joan Laporta à presidência do clube animou o argentino a permanecer no Nou Camp, renovando seu contrato que se encerra em junho. A possibilidade é tão forte que clubes que sonhavam com o craque, como Manchester City e PSG, desistiram da investida. Mas tem um problema nesta história toda: a Matemática não fecha na negociação entre as partes. E o problema vai muito além de salário.

Messi Barcelona Real Madrid Messi tem muito respeito pela camisa do Barcelona (Foto: Imago Images)

Com sua independência financeira garantida, Messi, que tem 33 anos, não está priorizando o dinheiro na decisão sobre aquele que pode ser seu último contrato como profissional. Mas mesmo assim o fator dinheiro é sim um problema.

O Barcelona vive um caos financeiro. No seu último balanço o clube revelou ter uma dívida de 1,1 bilhão de euros (mais de R$ 7 bilhões). Mas isso não é o mais preocupante. Desse montante, 300 milhões de euros (mais de R$ 2 bilhões), são para pagamentos até o fim de 2022.

Goleadas recentes frustraram Messi

Laporta foi eleito presidente do Barcelona (Foto: Imago)

Publicidade

As contas podem até fazer Messi ter um bom salário. Mas impedem que o argentino tenha a seu favor um time competitivo. E essa é justamente a pendência que levou a sua maior insatisfação em um passado recente.

Nos últimos anos o Barcelona foi superado com enorme facilidade por Liverpool, Bayer de Munique e PSG na Champions League. Para os alemães caiu com uma goleada de 8 a 2. Os franceses fizeram 4 a 1 em Nou Camp. Em todos os jogos em comum apenas a presença de um Messi se arrastando no gramado sem acreditar no que estava vivenciando.

Messi vai colocar o fator time forte quando sentar para negociar com o Barcelona. E nessa hora que Laporta sabe que não vai poder se comprometer muito. Principalmente se não conseguir vender alguns atletas que não fazem parte dos planos. Assim quem apoosta que pode existir uma reviravolta no caso Mesi/Barcelona pode ganhar no fim. Mas só o tempo dirá.

Comentários