Publicidade

Ricardo Gomes e Raí somam forças para levantar o São Paulo no cenário do futebol (Divulgação) Ricardo Rocha e Raí somam forças para levantar o São Paulo no cenário do futebol (Divulgação)

A missão de colocar o São Paulo novamente nos trilhos é emblemática, para Raí e Ricardo Rocha. “Rei da década de 2000”, o futebol tricolor desandou depois do título brasileiro de 2008. O comandante, então, era Muricy Ramalho.

De lá para cá, a torcida só vibrou uma vez, com o título da Sul-Americana de 2012. Significa que, à exceção da Sula, o clube pode completar 10 anos sem título de porte. Sem nem mesmo conquistar o Paulistão – o mais recente ocorreu em 2005. Não à toa, a torcida está desesperada.

Publicidade

LEIA MAIS

Clubes sem reforços no mercado da bola? Janela reflete crise financeira
Veja craques da bola que amam fazer tatuagem
Fluminense define barca com Cavalieri e mais sete: a dura realidade tricolor
Cristiano Ronaldo preso? Lembre atletas que enfrentaram o fisco
Veja jogadores do Corinthians que não foram campeões brasileiros

Muricy Ramalho foi demitido sob argumento de “fim de um ciclo no clube”, no qual somou três brasileiros consecutivos. Como não ganhou a Libertadores, acabou afastado. A partir daí, dirigentes São-paulinos tentaram de tudo, sem lograr êxito.

Publicidade

Desde então foram testados 14 treinadores no cargo, a começar por Ricardo Gomes, que nesse período esteve duas vezes no comando. Foi dispensado em 2010, substituído pelo técnico das Divisões de Base, Sérgio Baresi. A aposta durou 14 jogos, até a chegada de Paulo César Carpegiani.

Paulo Cesar Carpegiani assumiu o São Paulo após saída de Sérgio Baresi (Foto: Divulgação) Paulo Cesar Carpegiani assumiu o São Paulo após saída de Sérgio Baresi (Foto: Divulgação)

Na sequência, um promissor Adilson Batista chegaria ao Morumbi para assumir o time. Não conseguiu impor seu trabalho. Desta vez, quem chegou foi o enérgico Emerson Leão, que teve problemas com a diretoria. Também dançou.

O cenário estava pronto para a chegada de Ney Franco, após se destacar como técnico da Seleção Brasileira Sub-20. Ganhou a Sul-Americana, mas não resistiu ao atrito com o ídolo Rogério Ceni, abrindo caminho para a chegada de Paulo Autuori.

Publicidade

Por sua vez, ficou dois meses no comando, vencendo apenas três vezes em 17 partidas. Deixou o time na zona de rebaixamento, abacaxi descascado por Muricy Ramalho. Foi quando enfrentou problemas de saúde que o afastaram da carreira de treinador efetivamente.

Chegaram o Morumbi o colombiano Juan Carlos Osorio e, dois meses depois, Doriva, que ficou no comando apenas um mês. A diretoria recorreu ao bicampeão da Libertadores – LDU e San Lorenzo – Edgardo Bauza. Sem conseguir unanimidade, trocou o Morumbi pela seleção argentina.

Bauza trocou o São Paulo pela Argentina, mas não durou muito lá... | Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net Bauza trocou o São Paulo pela Argentina, mas não durou muito lá… | Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Erro Rogério Ceni

Ricardo Gomes e Pintado dirigiram o São Paulo antes da efetivação de Rogério Ceni como treinador. Mas, ser goleiro é uma coisa, técnico é outra. Rogério não resistiu ao Brasileiro deste ano, com o time insistentemente na zona de rebaixamento.

Publicidade

Dorival Júnior assumiu e, apesar de muito sufoco, conseguiu segurar o time na Série A. Agora, entra 2018 com chance de mudar esse longo cenário de sofrimento. Vai dividir essa responsabilidade com Raí e Ricardo Rocha, diretor e coordenador de futebol, respectivamente.

Que essa soma de forças tricolores façam o São Paulo voltar aos tempos de conquistas.