Publicidade

O Fluminense, mesmo classificado para as quartas de final da Libertadores e da Copa do Brasil, convive com pressão. É que o Tricolor Carioca amarga três derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro. Além disso, o técnico Roger Machado também lida com críticas quanto à forma do Fluminense de jogar.

A derrota para o América-MG, neste domingo, no Independência, levantou novamente a questão. O Fluminense foi pouco criativo e esbarrou em mais uma atuação burocrática. Por enquanto, Roger Machado descarta mudar a estruturação do time tricolor.

Roger Machado Fluminense Roger Machado defende modelo de jogo | Foto: Mailson Santana / Fluminense / Divulgação

– Não vejo momento de uma troca de estrutura com uma ruptura muito grande do que temos feito. As alternâncias a gente tem colocado dentro do campo, saindo em um 4-3-3 ou em um 4-4-2, como foi contra o Sport; alterando no meio da partida para um 4-4-2 com um pouco mais de liberdade para os jogadores de meio; colocando jogadores com mais destreza para segurar a bola e organizar pela técnica, como o Paulo (Henrique Ganso) e Cazares. Não vejo que esse momento seja ideal para fazer isso (mudar) porque as decisões estão aí – declarou Roger Machado.

Relacionadas

Fred América-MG x Fluminense
Marcos Felipe Fluminense
Damián Díaz

Solidez defensiva é trunfo do Fluminense de Roger Machado

Publicidade

O modelo de jogo do técnico está baseado na consistência defensiva. Entretanto, ofensivamente, o time encontra dificuldade. E Roger Machado reconhece que o Fluminense não será um time de muitas oportunidades. Por isso, precisa ser eficiente.

MAIS! Fluminense muda o discurso e quer público na Copa Libertadores

– Nós criamos um time seguro defensivamente, que hoje (contra o América-MG) acabou sofrendo com os contra-ataques depois que a gente abriu um pouco mais o time. Mas de um modo geral a segurança defensiva que vai fazer a gente evoluir na partida. As oportunidades que nós criamos não serão muitas, temos que ter a eficiência e competência na hora de empurrar a bola para o gol. Dependendo do jogo, da capacidade do adversário, impede que a gente consiga ter esse sucesso. Até agora, temos conseguido muito mais sucessos do que insucessos com esse modelo, acho que é a isso que tem que se apegar – acrescentou Roger.

Publicidade

MAIS! Fluminense conhece rival do mata-mata da Copa do Brasil

O momento ruim no Brasileiro pressiona o Fluminense para o mata-mata da Libertadores. Nesta quinta-feira, o Tricolor abre as quartas de final contra o Barcelona de Guayaquil, no Maracanã.

Comentários