Publicidade

A diretoria do Fluminense está fazendo um trabalho de bastidores para tentar aparar alguma arestas com os representantes do meia Miguel. Mais precisamente com o pai e empresário do atleta, José Roberto Lopes. Isso porque o relacionamento entre as partes não é dos melhores. O temor do Tricolor é que o jogador acabe deixando as Laranjeiras sem render nenhum centavo ao clube. Aos 17 anos, Miguel tem vínculo somente até junho de 2022. Assim pode assinar um pré-contrato a partir de janeiro do próximo ano.

Miguel em ação pelo Fluminense. Mas por quanto tempo?

Miguel foi lançado ao time principal do Fluminense em 2019. Teve um bom começo, mas foi perdendo espaço com a chegada de jogadores experientes. Ao todo o jogador não tem mais do que sete partidas em minutagem com a camisa do Tricolor.

LEIA MAIS! Matheus Babi aprova proposta do Fluminense e destino depende do Serra Macaense

Publicidade

Até aí não havia grandes problemas. Mas o caldo entre as partes começou a entornar quando o Fluminense recusou um pedido do pai de Miguel para que o jogador pudesse disputar a final da Supercopa do Brasil Sub-17 pelo time. Na ocasião o supervisor de futebol Paulo Angioni entendeu que a equipe estava entrosada e a entrada de Miguel poderia prejudicar o entrosamento.

Declaração de Mário Bittencourt incomodou Miguel

Mário Bittencourt Fluminense

Declaração de Mário incomodou agentes de Miguel (Foto: Lucas Merçon/Fluminense)

A negativa do Fluminense incomodou o pai do jogador. Assim ele recusou uma proposta de Angioni para que Miguel pudesse treinar com o time sub-23. Ele preferiu que seu filho permanecesse entre os profissionais mesmo com poucas chances. As informações são do site “NetFlu”.

LEIA MAIS! Eita! Fred pode ser impedido de atuar por dívida com o Galo

Publicidade

O incômodo aumentou poor conta de uma declaração do presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, que disse que Miguel teria menos chances que outros jovens por não ter participado de todas as etapas das categorias de base. Assim os representantes do jogador entendem que Miguel vem sendo punido por um erro do próprio Tricolor.

LEIA MAIS! Cofres cheios! Fluminense vê com bons olhos a saída de Calegari

Apesar de todas essas arestas, a diretoria do Fluminense vai apostar em uma aproximação com Miguel e com seu pai. É provável que uma conversa entre as partes aconteça em abril de olho em uma melhor relação.