Publicidade

Oi, sumido! O Fluminense tem a chance de reencontrar o G-6 do Campeonato Brasileiro. Para isso, precisa vencer o Cuiabá, nesta segunda-feira, às 20h (horário de Brasília), na Arena Pantanal.

Buscar a vaga para a Libertadores é o objetivo tricolor na sequência do Brasileirão. E faz tempo que o Fluminense não figura no G-6. A última vez foi na 5ª rodada, ainda sob o comando de Roger Machado. Ou seja, o Tricolor Carioca pode voltar ao bloco após 16 rodadas.

Luccas Claro Fluminense Luccas Claro dá recado na briga pelo G-6 | Foto: Mailson Santana / Fluminense / Divulgação

O Fluminense fecha a 21ª rodada do Brasileirão e pode se beneficiar do tropeço do Corinthians no América-MG. O clube paulista tem 30 pontos e está na sexta colocação. O Flu, com 28 pontos, está no oitavo lugar. O Internacional é o sétimo, com 29 pontos (o clube gaúcho tem um jogo a menos em relação ao Fluzão).

Relacionadas

Roger Machado Fluminense
Mário Bittencourt Fluminense

Publicidade

Até aqui, o Fluminense deu o ar da graça no G-6 em três ocasiões: na 2ª, 4ª e 5ª rodadas do Brasileirão. Agora, o reencontro pode ter um sabor especial. É o que o Tricolor Carioca vem de eliminação na Copa do Brasil. Sendo assim, o torneio por pontos corridos é a chance de sacudir a poeira.

LEIA MAIS! Fluminense intensifica buscas por homem de criação

Fluminense vem embalado no Brasileirão

O torcedor do Fluminense tem motivos para acreditar. O time tricolor ostenta uma série de cinco jogos de invencibilidade no Brasileirão, sob o comando de Marcão – três vitórias e dois empates.

Publicidade

– A gente vem de uma boa sequência no campeonato, mas não podemos deixar isso nos satisfazer. Temos de buscar mais a cada dia. Sabemos da nossa qualidade. Deixamos escapar alguns pontinhos importantes no primeiro turno e agora precisamos recuperar. Mesmo fora de casa, esperamos fazer um grande trabalho, respeitando muito a equipe do Cuiabá. E a melhor forma de fazer isso é jogando bem e buscando a vitória – declarou Luccas Claro, ao site oficial do Fluminense.

Comentários