Publicidade

O Flamengo ganhou a Taça Guanabara e acumula mais um título para a sua galeria de troféus recentes. DE 2019 para cá foram dois títulos brasileiros, dois cariocas, duas Supercopas do Brasil, uma Recopa Sul-Americana e uma Copa Libertadores. Fora as duas Taças Guanabara. Mas em comum após essas conquistas a veia de provocação do elenco do Flamengo, que tenta apimentar a rivalidade com os rivais.

Desde a famosa frase de Bruno Henrique, “Estamos em outro patamar”, que a rivalidade carioca aumentou. Após a vitória de 2 a 1 sobre o Volta Redonda na decisão da Taça Guanabara o atacante Gabigol postou nas redes sociais a frase “Tá muito fraco, irmão”. Uma clara provocação ao vascaíno Galarza, com quem trocou farpas após o Vasco ter batido o Flamengo por 3 a 1 na fase de classificação.

Gabigol Flamengo Gabigol é um craque polêmico (Foto: Marcelo Cortes / Flamengo)

Mas esta não foi a única vez que o elenco do Flamengo tratou com provocação os rivais após um título. Há duas semanas, após a conquista da Supercopa do Brasil, o elenco se deixou filmar cantando músicas de provocação ao rival: “O Palmeiras não tem Mundial, não tem Copinha e não tem Mundial”.

E o politicamente correto?

Provocação de Gabigol e Galarza. Assim o futebol respira (Foto: Twitter)

Publicidade

Já após a conquista do título brasileiro, jogadores do Flamengo postaram e mandaram pela televisão provocações ao meia Thiago Galhardo do Internacional. A provocação envolvia o rótulo de “cheirinho” dado ao Flamengo antes dessa fase vitoriosa.

Os defensores do politicamente correto reprovam a postura dos flamenguistas. Mas para os amantes da bola, acostumados com a boa rivalidade, é um grito de esperança para quem pretende reviver a era de Romário, Renato Gaúcho, Edmundo e Túlio Maravilha. Assim o futebol sobrevive.

Comentários