Publicidade

O atacante Michael vive sua melhor fase desde que chegou ao Flamengo no início do ano passado. Com seus dribles e assistências e gols, o baixinho caiu nas graças da torcida. Assim, com seu sorriso fácil e sempre alegre, Michael é um dos símbolos do Flamengo der Renato Gaúcho.

O ex-jogador do Goiás, entretanto, passou por momentos difíceis. Esteve perto de deixar o clube rumo ao futebol árabe, mas decidiu ficar e buscar seu sonho de vencer com a camisa rubro-negra.

Michael é uma das armas do ataque do Flamengo de Renato Gaúcho (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Em entrevista à FlaTV, Michael destacou a influência do treinador e do relacionamento com os companheiros no seu desempenho.

Publicidade

– Eu tive altos e baixos, como todo atleta tem. Mas, até antes do jogo, eu brinco com o Renato e ele me dá muita moral. Ele deixa a gente com confiança, ele deixa a gente leve para jogar. Ele só me pede para não ficar impedido e ter calma e paciência quando entrar na área. É um cara que eu aprendi a amar aqui. Todos já sabem o quanto o elenco me ajudou. Ele chegou com o jeito dele e o fruto do que a gente vem fazendo nos jogos é fruto do que a gente vem fazendo nos treinos – afirmou o atacante.

Leia também:

Nível europeu! Elenco do Flamengo é mais valioso do que alguns clubes conhecidos do Velho Continente

Flamengo vive capítulos decisivos na ‘novela’ por David Luiz

Publicidade

Michael citou a união do grupo em busca de títulos como um diferencial que encontrou no Ninho do Urubu.

– O elenco é diferenciado. Aqui é todo mundo se ajudando, todo mundo apoiando. Cobra, cobrança pra caramba. É um querendo ajudar o outro. O que a gente quer é título, custe o que custar. São meninos bons, são atletas bons, tanto os mais experientes quanto os mais novos. É um querendo ajudar o outro em prol do bem maior, que é vitória e título – disse.

Relacionadas

Diego Flamengo x ABC

O Flamengo tem a chance de realizar um feito inédito em 2021, que é conquistar três grandes títulos. Isso porque o Rubro-Negro está nas semifinais da Libertadores, quase lé na Copa do Brasil e ainda em boa situação no Brasileirão.

Publicidade

– Hoje, estamos em três competições. Nem nos meus melhores sonhos eu imaginei isso. Os caras foram campeões brasileiros no trio elétrico enquanto estavam comemorando a Libertadores. Quem não quer isso? Quem falar que não quer, não joga bola. Então assim, viver com eles aqui, me ensinou a ter mais ambição por título – concluiu Michael.

Comentários