Publicidade

Um Flamengo avassalador, que atropelou os rivais e conquistou, em especial, a Libertadores e o Brasileiro de 2019. Este foi o impacto de Jorge Jesus no clube carioca. Uma parceria vitoriosa e que está na história. O técnico, em evento de gestão esportiva em Portugal, relembrou a época no Rubro-Negro. Jesus explicou o que implantou no Flamengo.

– O que tentamos passar quando estivemos no Flamengo é que a equipe precisava jogar mais ligada, mais próxima e compactada. Isso fez com que o nosso jogo ficasse mais rápido. Aqui na Europa os jogadores notam que há menos tempo e espaço para pensar. No Brasil tem mais espaço, mas isso está mudando com o tempo. Já não há mais apenas só o posicionamento tático, há muita pressão sobre quem tem a bola, mas, com pegada ou não, os jogadores brasileiros têm muito talento individual. E às vezes não há tática que resista ao talento individual – declarou Jorge Jesus, no Global Football Management.

Jesus Fla-Flu Flamengo Jorge Jesus deixou saudade no Flamengo | Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Divulgação

O técnico chegou ao Flamengo em meados de 2019 e liderou a arrancada rumo ao título brasileiro e da Libertadores. Em 2020, ganhou Recopa Sul-Americana, Supercopa do Brasil e Carioca, até que o Benfica o levou de volta a Portugal.

Relacionadas

Pedro Flamengo
Léo Pereira Flamengo

Jesus vai além do Flamengo e aborda futebol brasileiro

Publicidade

No evento, Jorge Jesus abordou o futebol brasileiro e a experiência que teve. Ele apontou uma característica que vem mudando no Brasil.

MAIS! Bruno Henrique aumenta drama do Flamengo: sem previsão de volta

– O jogador brasileiro, quando tem a posse de bola, não se preocupa. Ele sabe conviver com a bola, independentemente do fato de ter um, dois ou três jogadores marcando. O convívio com a bola sempre foi mais importante que outros aspectos do jogo, mas é preciso saber jogar sem a bola. Os jogadores brasileiros não conheciam tão bem o jogo sem bola. Que a tática é tão importante quanto a parte técnica. Foi preciso muito trabalho para fazê-los entender. Sem vaidade, isso começou a mudar depois da nossa passagem pelo Brasil – afirmou.

Comentários